Os records do ARMY com Dynamite e as novas políticas de visualizações do YouTube

Por Ana Luíza Gomes Barbosa
Revisado por Krika Machado e Elinaete Sabóia

No dia 21 de Agosto, à 1 da manhã (horário de Brasília), o primeiro single completamente em inglês do BTS, Dynamite, lançado junto ao seu musicvideo, atingiu a marca de 101.1 milhões de visualizações em apenas 24 horas de lançamento na plataforma YouTube. Esse número levou o grupo a bater o record de vídeo mais acessado do mundo em um dia. O resultado foi noticiado por diversos jornais, esse impressionante feito dos artistas sul-coreanos é um marco histórico, mas um dos motivos para esse resultado ter obtido excelência, foi a união de fanbases (sites, perfis no Twitter, Instagram e Facebook) ao redor do mundo, que prepararam projetos detalhados com intuito de presentear o BTS com mais um record.   

Em julho, durante uma live pelo aplicativo Vapp (aplicativo sul-coreano de lives), BTS revelou que lançariam uma música em Agosto, logo, portais de notícias começaram a falar sobre o comeback do grupo para o segundo semestre de 2020 e sobre o single. A BigHit junto a Columbia Records (empresa que trata da divulgação estadunidense do BTS) passaram a promovê-la já no início de agosto, anunciando o título e a data, assim como o habitual calendário de promoções que faz o ARMY preparar-se para o retorno do grupo a ponto de não perder nenhuma nova publicação. 

Foto: Divulgação/ BigHit Entertainment 

No Brasil, fanbases como Portal Min Yoongi (twitter), Park Jimin CE (instagram) e Armys de Fortaleza (Instagram e Twitter), se unem para produzir postagens e imagens explicando o passo a passo de como ajudar nessas enormes metas que fazem toda a diferença quanto a disseminação do trabalho do Bangtan. Tal tarefa é combinada entre elas ou, geralmente apenas traduzidas de projetos de perfis internacionais de grande alcance aos B-ARMYS (Brazilian Armys/Armys Brasileiros). O resultado só tem sucesso quando uma boa quantidade de ARMYs são atingidos e conseguem propagar essas informações imprescindíveis para que a meta seja batida.

Para Cecília, 24 anos, membro do Park Jimin CE (parkjiminceoficial), esse resultado vem de um trabalho em equipe entre o ARMY e o BTS, “Como army desde 2014, sou testemunha de que o poder do fandom pode mover montanhas e foi o que fez do BTS o que eles são hoje. O esforço deles, claro, é o ingrediente principal, mas se o army não tivesse realmente se engajado todos esses anos os resultados não viriam. Para resumir, é um trabalho de equipe.”, diz uma das administradoras da fanbase que possui pouco mais de 2 mil seguidores no instagram, mas também contribuiu com projetos de streaming.

Em outros casos, se não houver um consenso quanto aos métodos utilizados para ajudar nos números de visualizações, o projeto pode não ter um bom resultado e dificultar o crescimento e divulgação. Como diz a administradora do Armys de Fortaleza (armysdefortaleza), Alícia Mesquita, 21 anos, também membro do B-Armys Acadêmicas (BAA), “As regras podem acabar se tornando confusas ou incompletas  ao serem repassadas de fanbase para fanbase . Por exemplo, uma diz que precisa intercalar com pelo menos três vídeos sem ser de K-pop, outra diz que precisam apenas ser vídeos que não sejam da Bighit Labels. Apesar das boas intenções, é bem difícil achar fanbases com informações completas e de confiança.”, comenta ela. 

As regras do YouTube, que tinham intenção de evitar possíveis fraudes muitas vezes podem acabar atrapalhando a motivação do fandom, que ao ver os números “congelados” ficam fervorosos em suas redes sociais o que poderia desmotivar, também tem seus benefícios. De acordo com a Central de Ajuda do próprio Google, esse congelamento é uma medida de segurança para verificar se há uso de possíveis robôs que tenham a intenção de otimizar o alcance do vídeo. Algumas das regras desses projetos de stream, foi o não uso de emojis (figurinhas animadas disponíveis no teclado para smartphone) e evitar pausar o vídeo, pois segundo essas fanbases prejudicava a análise do YouTube quanto a verificação de uso de robôs. 

Essas regras estipuladas pelo Youtube, para Adrianna, 27 anos, uma das administradoras do Portal Min Yoongi (PortalMinYoongi), são rasas, não deixando claro como ele realmente funciona, o que se torna o maior problema: 

 “O YouTube é uma plataforma instável, eventualmente obtemos resultados positivos, tal como esse último comeback, mas nos últimos anos tivemos muitas dificuldades com a plataforma que remove views mesmo nós nos utilizando de todos os métodos confiáveis. O fandom tem acolhido as recomendações, creio que isso tem colaborado para a melhora dos resultados que tivemos nesse comeback.”, relata. 

Print da página Central de Ajuda do Google/ YouTube

Segundo o livro “Streampunks: O YouTube e os rebeldes que estão transformando as mídias”, escrito por Robert Kyncl, diretor de negócios do YouTube e ex Vice-presidente de conteúdo da Netflix, e Maany Peyvan, um dos principais executivos do Google em 2017, a representação de que sucessos globais podem se originar de lugares improváveis, foi vídeo de “Gangnam Style” do PSY. A repercussão foi tão grande que no ano de seu lançamento, 2012,  se tornou o primeiro vídeo na história a obter 1 bilhão de visualizações em um pouco mais de cinco meses, além de ser o primeiro a obter 2 bilhões, e em consequência disso, a plataforma necessitou passar por uma reprogramação para que o contador do YouTube pudesse suportar números tão grandes. 

A propagação viral do musicvideo impulsionou “Gangnam Style” a entrar no topo das listas de dezenas de países, se tornando o primeiro single a vender mais rápido 1 milhão de cópias na Austrália. Essas referências não divergem dos acontecimentos atuais, onde BTS conseguiu pela primeira vez em 7 anos de carreira atingir o primeiro lugar na Billboard Hot100, o tornando o primeiro artista sul-coreano a obter essa marca e a mantendo por duas semanas seguidas até a presente data. 

Essas metas são benéficas não só aos artistas, mas também a economia de seu país de origem, que apenas com Dynamite, recebeu cerca de 1,4 bilhões de dólares, no qual estima-se que cerca de 800 mil turistas estrangeiros por ano visitam a Coreia do Sul devido ao BTS. Em 2012 com o sucesso do PSY, Kyncl e Peyvan (2019), contam que o turismo na Coreia subiu 15%. Além disso, a mídia sul-coreana anunciou recentemente, que apenas a BigHit arrecadou em lucro operacional no primeiro semestre de 2020, cerca de 497 bilhões de wons (moeda coreana) enquanto a Big3 (SM, JYP, YG Entertainment), arrecadou 370 bilhões de wons. 

Sendo assim, um dos principais critérios para a escolha da meta ideal é baseado no crescimento do fandom, visando os gráficos de comebacks anteriores e aumentando as proporções. Samara (PortalMinYoongi), 22 anos, acredita que a colaboração do ARMY para atingir records, vem da sua ligação quanto a recepção da mensagem enviada pelo BTS, pois repassá-la abre os horizontes do fandom, “O ARMY entende essa mensagem e passa a levá-la pelo seu meio, dessa forma crescemos cada vez mais. Yoongi diz que queria fazer música para confortar as pessoas, que as pessoas fossem tocadas de alguma forma e hoje em dia o BTS não apenas faz isso como se tornou símbolo de esperança. Alguns dos resultados que eles colhem agora estão mudando todo um futuro.”, diz a administradora. 

O Portal costuma fazer um acompanhamento diário de visualizações incentivando o crescimento dele com playlists

Com os resultados acima do esperado para Dynamite, outros projetos surgiram no mês de agosto para otimizar os números de outros videoclipes do BTS, principalmente os trabalhos solos de cada membro, como o projeto Central Epiphany (twitter: centralepiphany), que surgiu unicamente para aumentar o números de visualizações do MV de Epiphany, intro interpretada por Seokjin, lançada em agosto de 2018. Inicialmente a meta seria somente de 100 milhões, porém o projeto cresceu tanto que as administradoras resolveram mudar, focando também em músicas ou solos de outros membros do BTS, trocando de promoção de stream quando conseguem bater as metas; assim como fazer votações para que os seguidores possam interagir, estipulando uma meta coesa e que faça uma grande diferença. 

Tweets de passo a passo ficam destacados para alcançar maior número de ARMYS

O anúncio do próximo comeback para a segunda fase do segundo semestre de 2020 já preparou o ARMY para o que vem. Em entrevista BTS falou brevemente sobre o processo de produção, principalmente sobre a participação mais ativa  de todos os membros no álbum ainda não nomeado. Durante algumas lives na plataforma YouTube, o fandom acompanhou alguns processos de escolha do próprio grupo quanto a preparação do novo álbum, como conceito de fotografia, figurino, estilo musical e divisão de tarefas. Assim, o ARMY vem promovendo suas próprias metas do que fazer para otimizar ainda mais o alcance baseados no que já foi conquistado durante o lançamento de Dynamite. Ainda que os números possam ter alcançado bons resultados, as fanbases como a Park Jimin CE, ainda sentem-se inseguras quanto ao YouTube. Elly, 18 anos, compartilha que sente artistas americanos sendo privilegiados quanto suporte, “Em qualquer plataforma de música sinto uma insegurança em relação ao desempenho dos meninos (BTS). Como vocês sabem, a maioria delas é dominada por artistas americanos e grandes empresas de entretenimento, então sempre fico com um pé atrás.”

 E você? Assim como nossos entrevistados ainda não confiam nos servidores da plataforma? 

Você utilizou métodos diferentes e gostaria de compartilhar suas ideias e pensamentos sobre projetos de stream? Acesse nosso Painel e deixe suas opiniões sobre o crescimento do BTS e os serviços prestados pelo YouTube.

Para mais interações, envie email para painelolhar@gmail.com

Referências

  •  KYNCL, Robert; PEYVAN, Maany – Streampunks: O YouTube e os rebeldes que estão transformando as mídias. Editora Best Business, 1° Edição, 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *