Happy Jungkook Day!

Estrelas Perdidas Brilham na Escuridão 

Autores: Flavianny Carvalho, Mariana Mathias, ThyHeartfilia.
Revisores: Brunna Martins e Julyanna Dias

No ano de 1997, na República da Coréia, mais especificamente na cidade de Busan, nasceu Jeon Jungkook (전정국), um garoto inteligente, amável, lindo e incrivelmente talentoso. Para comemorar seu aniversário, o ARMY preparou diversos projetos, como: doações à instituições de caridade, no Brasil, a fanbase Jeon Jungkook Brazil (@JeonJungkook_BR) criou o projeto Gureum (nome do pet do JK), para arrecadar fundos para a ONG União Animal; o projeto Golden Time, que foca no stream de solos do artista, como  Still with you, My Time, Euphoria e Begin; o projeto Time for Love,  um compilado de vídeos de B-Armys homenageando o JK, entre outros. A festa não para por aí! O ARMY também está desejando parabéns com as tags #HappyBirthdayJungkook (Feliz Aniversário Jungkook), #HappyJungkookDay (Feliz dia do Jungkook) e #/사랑하는정국아생일_축하해 (Parabéns para o nosso amado Jungkook). 

Além de desejar um feliz aniversário, o ARMY está exaltando os talentos e a personalidade do JK com as tags: #정국이의행복이아미의_행복 (A felicidade do Jungkook é a felicidade do ARMY), #GoldenJungkookTime (Hora do Jungkook de ouro), #신의선물황금보컬우리정국 (Presente de Deus, nosso vocal de ouro Jungkook),  #StillWithJungkook (Ainda com Jungkook), #ForeverWithJungkook (Para sempre com Jungkook) etc.

Hoje, 1º de Setembro de 2020, JK completa 24 anos na idade coreana e 23 internacionalmente. Para celebrar o aniversário do maknae do  BTS (방탄소년단), o painel Prateleira decidiu exaltar um dos inúmeros talentos do nosso caçula, que é o vocal. A seguir discorreremos sobre o cover Lost Stars. Segue abaixo uma humilde homenagem que fizemos: 

Lost Stars é originalmente interpretada por Adam Levine, vocalista do grupo Maroon 5. A música estreou na trilha sonora do filme ‘Begin Again’ (PTBR- Mesmo Se Nada Der Certo), cujo enredo foca nas dificuldades da vida dos músicos, e como muitos perdem sua essência ao tentar agradar a indústria. Abaixo, destacamos a cena em que a música é apresentada:

https://www.youtube.com/watch?v=hwJQGb5RJaA

A música e o filme fizeram muito sucesso, inclusive Lost Stars foi indicada ao OSCAR 2015, na categoria ‘Melhor canção original’.

O cover de Jungkook foi postado no canal BANGTANTV em 3 de outubro de 2015. É uma música especial para o JK, cantada em várias ocasiões: lives, cover, apresentação de rua (Bon Voyage 3), e até mesmo recentemente no In The SOOP. Logo, é necessário que o fandom ARMY conheça os significados dessa obra, confira a relação entre a música e as literaturas juvenis abordadas no Bangtan Universe.

Lost Stars

1ª Estrofe

Figura 1: HYYH pt 1 Jacket Photoshoot Behind the scenes – Jungkook
Fonte: BTS (방탄소년단)
“Por favor, não veja
Apenas um garoto preso em sonhos e fantasias
Por favor, me veja
Buscando por alguém que não consigo ver”

Flavianny: Um garoto preso em sonhos e fantasias, soa como alguém que não quer crescer, certo? Essa estrofe nos remete à Peter Pan. Tanto a música quanto o livro abordam a temática da juventude e do mundo das fantasias. No entanto, a mensagem de Lost Stars é que somos mais do que pessoas com sonhos e fantasias, somos pessoas que “buscam por algo que não conseguem ver”. Peter Pan gostava de parecer independente e aventureiro, mas assim como os outros meninos perdidos, ele também buscava “alguém que não consegue ver”, alguém que ele sabia da existência, mas não conseguia compreender.  A figura materna no livro de “Peter Pan” é o “ser invisível” que as crianças buscam; para os jovens, o invisível pode representar espiritualidade ou um significado para a vida. 

Figura 2: Jungkook Pan
Fonte: BIGHIT, 2020

Mariana:  Na juventude, os adultos enxergam os jovens como crianças imaturas e perdidas, afogando-se em sonhos e fantasias as quais são irrelevantes para o futuro. Os sonhos de uma criança são delírios sob o olhar dos adultos que desvalorizam tais sonhos. Bem como, afirmam que a busca pela identidade do jovem,  é apenas mais um labirinto de espelhos onde este se perderá. Os adultos projetam este labirinto querendo que a juventude se espelhe em alguém, quando na realidade o jovem somente deseja descobrir quem é e, enfim, enxergar-se como alguém. Em “Apanhador no Campo de Centeio”, Holden está nessa busca, onde as expectativas, as dúvidas e os sonhos são constantes em sua mente, assim como em nossas mentes e, provavelmente, na de JungKook. 

ThyHeartfilia: Em “por favor, não veja” e “por favor, me veja”, podemos perceber um duplo posicionamento do eu lírico diante de suas vontades. Primeiro, parece estar envergonhado e inseguro em relação aos outros, que provavelmente são capazes de enxergar um menino que sonha e se desfruta em seus desejos na sua mente. Por que “não ver”? Pois é muito comum a vergonha de talvez ser um pouco fora dos padrões. Dar valor significante as vivências psíquicas que temos durante um sono ou durante um momento de grande imaginação (mesmo acordado) não é comum em uma sociedade que valoriza mais uma vida mecânica e realista. Logo, onde não pode se caber sonhos e criatividades, muitas das vezes, interpretadas como extrapoladas e impossíveis demais para serem verdades. 

“Mas não quero me meter com gente louca”, Alice observou. “Oh! É inevitável”, disse o Gato; “somos todos loucos aqui. Eu sou louco. Você é louca.” “Como sabe que sou louca?” perguntou Alice. “Só pode ser”, respondeu o Gato, “ou não teria vindo parar aqui.” (CARROLL, 2013)

Nesse instante inicial, Alice aprende que não distinguir sonho de realidade é um sinônimo de loucura. Na narrativa, ela busca por si mesma, ao longo dos capítulos não consegue se ver e nem mesmo dizer o que é: uma menina ou animal. Por isso, sempre anda confusa em seus pensamentos e briga constantemente com muitos personagens. O País das Maravilhas é o lugar onde Alice foi parar, e ali vive as aventuras as quais jamais suspeitava da irrealidade. Para ela, isso não se passava de uma atividade natural de sua brilhante mente juvenil.

Assim, valorizar as experiências da imaginação (consciente ou inconsciente) é uma atitude invejada da sociedade extremamente fria e sem vigor que fazemos parte. Os jovens são agraciados por terem uma energia que é capaz de sustentar seus sonhos. E isso assusta quem está ao redor. 

“Alice! Recebe este conto de fadas e guarda-o, com mão delicada, como a um sonho de primavera que à teia da memória se entretece, como a guirlanda de flores murchas que a cabeça dos peregrinos guarnece.” (CARROLL, 2013)
Figura 3: Love Yourself Concept – Jungkook
Fonte:  Love Yourself Tour: Program Book 2018

Como mostra a imagem de Jungkook acima, no poema de Lewis, uma guirlanda de flores na cabeça simboliza nossos sonhos envolvidos em nossas memórias guardadas, por isso acontecem de murchar. Mas, como peregrinos, seguimos em frente nessa jornada da vida, nunca se desprendendo de nossos sonhos de juventude.

2ª Estrofe

Figura 4: WINGS – Jungkook
Fonte: BTS (방탄소년단) Facebook 2016

“Pegue minha mão
Vamos ver onde acordaremos amanhã
Os melhores planos
Às vezes são apenas uma noite sem compromisso
Eu serei condenado
O cupido está exigindo sua flecha de volta
Então vamos ficar bêbados em nossas lágrimas”

Flavianny: Apesar de ter metas de vida, o eu lírico sente que não deve se prender à elas, pelo contrário, deve “deixar a vida guiá-lo”, porque nem sempre a vida concordará com nossos planos. Logo, devemos nos divertir, explorar novos lugares, conhecer novas pessoas e ganhar novas experiências. Ao citar o cupido, o eu poemático revela as dificuldades das relações humanas e como muitas delas são passageiras, mas podemos nos “embebedar nas nossas lágrimas”, isto é, esquecer a parte negativa da vida (CHAMATE, 2017).

Mariana: Durante a jornada, muitos planos podem fracassar e a solidão assolar o caminhar, logo o que mais pode-se desejar é alguém segurando nossa mão, olhando em nossos olhos dizendo que estará tudo bem e que conseguiremos conquistar nossos sonhos. Holden, em sua história, sofre com a solidão que o faz buscar pessoas que o aconselham a seguir e conquistar seus desejos como o seu professor o aconselha – E a vida é um jogo, meu filho, a vida é um jogo que se tem de disputar de acordo com as regras.” (SALINGER, 1991, p.11). Além de ser o momento mais belo da vida, ela também é um jogo com cobranças, tristezas e planos frustrados, o que desmistifica o conto de fadas que muitos entoam para as crianças. 

ThyHeartfilia: 

Alice pensou e continuou: “Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para ir embora daqui?” “Depende bastante de para onde quer ir”, respondeu o Gato. “Não me importa muito para onde”, disse Alice. “Então não importa que caminho tome”, disse o Gato. “Contanto que eu chegue a algum lugar”, Alice acrescentou à guisa de explicação. “Oh, isso você certamente vai conseguir”, afirmou o Gato, “desde que ande o bastante.”

A jornada de Alice no País das Maravilhas foi sem muito compromisso. Seguir em frente, sem muito pensar no rumo que será dado, ou onde vamos estar no dia de amanhã, pode ser perigoso. Mas as melhores experiências podem ser aquelas que não planejamos o trajeto, e sim, com quem estamos caminhando. É muito mais importante buscarmos nossa comunidade, mesmo sendo diferentes pessoas, tudo durante a viagem se torna mais leve se conseguirmos respeitar e amar nossos companheiros.

Não vai adiantar nada eles encostarem suas cabeças no chão e pedirem ‘Volte para cá, querida!’ Vou simplesmente olhar para cima e dizer ‘Então quem sou eu? Primeiro me digam; aí, se eu gostar de ser essa pessoa, eu subo; se não, fico aqui embaixo até ser alguma outra pessoa’... Mas, ai, ai!” exclamou Alice numa súbita explosão de lágrimas, “queria muito que encostassem a cabeça no chão! Estou tão cansada de ficar assim sozinha aqui!” (CARROLL, 2013)

A medida que a liberdade de seguir um caminho e se aventurar no desconhecido aumenta, podemos não lidar da forma mais saudável e correta com a nossa identidade e, em seguida, com o amor. Os conflitos começam em nós, tudo parte de dentro para fora. Depois, precisamos entender as nossas relações externas com o social. Parece até que algumas vezes o amor se arrependeu de estar conosco, amar pode muito machucar inicialmente. Tudo é novidade para quem começa, e para o jovem também. É natural não saber administrar nossas emoções, é necessário viver! Alguém pode nos ajudar nisso, mas somente nos desafios da vida que o aprendizado se fundamenta por completo.

3ª Estrofe

Figura 5: HYYH pt 2 Papillon (Butterfly) – Jungkook 
Fonte: BTS (방탄소년단)
“E, Deus, nos diga o motivo
Da juventude ser desperdiçada nos jovens
É temporada de caça e os cordeiros estão correndo
Procurando por um significado
Mas será que somos todos estrelas perdidas
Tentando iluminar a escuridão?”

Flavianny: A juventude deveria ser o momento mais bonito da vida, mas ela é “desperdiçada nos jovens”, isto é, na fase mais cheia de preocupações e incertezas. A metáfora usada nesse trecho é porque em “temporada de caça” diversos animais são mortos, não importa o quanto corram pelas suas vidas. Da mesma forma, a juventude é uma temporada de caça/procura pelo significado da vida e pelos objetivos pessoais. Em seguida, o lirista indaga, “será que somos estrelas perdidas tentando iluminar a escuridão”?  

As estrelas também são muito importantes no enredo de “Peter Pan”, pois elas observam o mundo e ajudam Peter a entrar na casa de Wendy. “Por mais belas que sejam, as estrelas são incapazes de mudar as coisas; estão condenadas a ser eternas observadoras. É um castigo por algo que elas fizeram há muito tempo. Nenhuma delas lembra mais o que foi” (BARRIE, 2018, p. 43).  Da mesma maneira, as estrelas na música Lost Stars também são apenas observadoras, os jovens não podem mudar o ciclo de suas vidas ou o tempo, o que os resta é viver com suas preocupações e seus arrependimentos apenas iluminando o próprio caminho. 

Figura 6: Estrelas perdidas nos olhos de Jungkook 
Fonte: JEONS597- via twitter, 2020

Mariana: A juventude pode ser cruel para alguns: sair do seio da família com cerca de 14 anos, viver rodeado por estranhos num lugar nada familiar e percorrer um sonho que muitos desacreditam nele e em você. Logo, a esperança move e ilumina os passos do jovem durante a jornada que chamamos de juventude. Erros e acertos, julgamentos e aplausos, todos os sentimentos que esses momentos podem causar num instante de segundos, ao mesmo tempo que você está tentando descobrir quem você é. Os jovens podem ser estrelas luminosas e um pouco perdidas, procurando sempre razões e sentidos por onde correm, tentando ser quem acham que são e fazer o que querem, mesmo sendo julgados, como Holden também deseja: Só isso que eu ia fazer o dia todo. Ia ser só o apanhador no campo de centeio e tudo. Sei que é maluquice, mas é a única coisa que eu queria fazer!” (SALINGER, 1991, p.191). 

Figura 7: The catcher in the Rye – Ilustrado por Kelly Wu 
Fonte:  “Catcher in the Rye”  short film, 2020.

   ThyHeartfilia: Não estamos correndo sem rumo apenas por não definirmos uma direção. É exatamente nessa caminhada que gradativamente nos encontramos em nós mesmos. A juventude é um estado emocional, uma perspectiva de mundo a qual nos sentimos capazes de realizar muitos sonhos e desfrutar de momentos, mesmo se não nos sentimos prontos. E, por causa da imaturidade, parece que esse grande tesouro é desperdiçado pelos jovens. Porém, da mesma forma que, para muitos, o País das Maravilhas tenha sido desfeito no momento em que Alice começou a crescer demais, no final do conto entendemos que a imaginação de Alice sempre está guardada e zelada em suas memórias, como uma guirlanda de flores, e ao longo de sua vida ela compartilhará as riquezas que viveu (sim, sonhos são experiências reais na mente). 

Não houve “Um, dois, três e já”: começaram a correr quando bem entenderam e pararam também quando bem entenderam, de modo que não foi fácil saber quando a corrida havia terminado. Contudo, quando estavam correndo já havia uma meia hora, e completamente secos de novo, o Dodô de repente anunciou: “A corrida terminou!” e todos se juntaram em torno dele, perguntando esbaforidos: “Mas quem ganhou?” (...)
Finalmente o Dodô declarou: “Todo mundo ganhou, e todos devem ganhar prêmios.” (CARROLL, 2013)

A juventude não morre na imprudência do jovem, temos a escolha de cultivar esse ímpeto sonhador por toda a nossa corrida da vida. Não somos eternamente jovens, mas corremos para ter uma eterna juventude.

4ª Estrofe

Figura 8: HYYH pt 1 Jacket Photoshoot Behind the scenes – Jungkook  2
Fonte: BTS (방탄소년단)
“Quem somos nós?
Apenas uma partícula de poeira dentro da galáxia
Ai de mim
Se não tivermos cuidado, isso se transforma em realidade”

Flavianny: Os questionamentos filosóficos acerca da existência humana ocupam quase todas as estrofes: “Quem somos nós?” O que devemos fazer? Para onde iremos? O eu lírico tem medo da resposta e até retira o que disse, pois teme que isso se torne realidade e não consiga encontrar o significado para a própria vida em razão da sua insignificância. 

     Mariana: A pergunta com a resposta de ouro: “Quem somos nós?”. Essa pergunta nos assola assim que iniciamos nossa juventude, o questionamento que nos desperta um desejo de descobrirmos quem somos nos guia durante a busca de nossa identidade e personalidade, já que não somos e não queremos ser mais uma “poeira” no universo. Somos responsáveis por cada passo da nossa jornada e, sobre isso, Jung discorre: “a personalidade jamais poderá desenvolver se a pessoa não escolher seu próprio caminho de maneira consciente e por uma decisão consciente e moral” (1982, p. 296).  Desta forma, os questionamentos e até mesmo o medo de tornarmos mais uma “poeira”, nos impulsiona a buscar quem somos, assim como não nos permite paralisarmos em nossa zona de conforto. Tentar e se arriscar são atos que nos impulsionam a continuarmos nossa jornada, seja se tornando um Idol ou explorando o Central Park em busca de si mesmo, como Salinger nos descreve no romance: “A coisa toda se aplica aos homens que, num momento ou outro de suas vidas, procuram alguma coisa que seu próprio meio não pode lhes proporcionar.” (1991,  p.207).

ThyHeartfilia: Os conflitos que sempre permeiam nossa mente frequentemente durante a jornada é nossa identidade. É importante entender nosso valor como seres humanos, mesmo se sentindo insignificantes por sermos uma pequenina parte em um todo universo, é esta minúscula partícula, chamada “eu”, que também é relevante nas vivências em comunidade. O jovem vive uma instabilidade de entender isso tudo, porque está sofrendo muitas mudanças naturais, deixando de ser criança, mesmo ainda não sendo um adulto. Mudanças físicas, hormonais, emocionais, psíquicas etc. Variados aspectos se alteram simultaneamente, tudo em favor do nosso bem (ou deveria ser), mas até entendermos isso, o processo não é fácil. Alice, bastante apavorada com a mudança repentina, mas muito satisfeita por ainda estar existindo.” (CARROLL, 2013)

É sobre estar bem com o seu próprio eu, mesmo não estando tudo do jeito de Alice. 

“Ai, ai! Como tudo está esquisito hoje! E ontem as coisas aconteciam exatamente como de costume. Será que fui trocada durante a noite? Deixe-me pensar: eu era a mesma quando me levantei esta manhã? Tenho uma ligeira lembrança de que me senti um bocadinho diferente. Mas, se não sou a mesma, a próxima pergunta é: ‘Afinal de contas quem sou eu?’ Ah, este é o grande enigma!”. (CARROLL, 2013)

Essas mudanças podem ser repentinas e graduais, nos assemelhando muito a uma lagarta que se desenvolve até tornar-se uma borboleta. A diferença é que toda lagarta sabe seu ciclo natural e está pronta para se transformar, entretanto, nós, mesmo sabendo, não estamos tão dispostos à metamorfose.

“Quem é você?” perguntou a Lagarta. Não era um começo de conversa muito animador. Alice respondeu, meio encabulada: “Eu... eu mal sei, Sir, neste exato momento... pelo menos sei quem eu era quando me levantei esta manhã, mas acho que já passei por várias mudanças desde então.(...) “Receio não poder ser mais clara”, Alice respondeu com muita polidez, “pois eu mesma não consigo entender, para começar; e ser de tantos tamanhos diferentes num dia é muito perturbador.” “Não é”, disse a Lagarta. (...) “Mas não estou acostumada a isso!” defendeu-se a pobre Alice num tom que inspirava pena. “Com o tempo você se acostuma”, disse a Lagarta. (CARROLL, 2013)

Dessa forma, tudo sempre com muito cuidado, porque sabemos que somos tão insignificantes em medidas astronômicas, mas tão valorosos na própria vida e na do próximo. O que devemos trabalhar em nós, é a construção  da mentalidade para não deixarmos nosso fator natural de sermos de carne e osso nos consumir. O tesouro precisa lembrar o quanto vale e não a sua origem, muitas das vezes, simples. Não há problema em ser simples.

5ª Estrofe

Figura 9: HYYH Young Forever – Jungkook
Fonte: BTS (방탄소년단) Facebook 2016

“Não ouse deixar que nossas melhores lembranças te tragam sofrimento
Ontem eu vi um leão beijar um veado
Vire a página
Talvez encontremos um final novo em folha
Onde estaremos dançando em nossas lágrimas”

Flavianny: O lirista recomenda que lembremos dos momentos da nossa juventude com alegria, e não com sofrimento. Assim como Wendy faz ao lembrar de sua infância cheia de aventuras com Peter Pan: “Wendy passou as mãos pelos cabelos do garoto assustado. Ela não era mais uma menininha de coração partido por ele, era uma mulher sorrindo daquilo tudo, um sorriso com olhos marejados” (BARRIE, 2018, p.217). 

Wendy guardou suas lembranças no coração e agora podia “chorar alegremente” ao reencontrar Peter, pois não permitiu que as memórias lhe causassem sofrimento.

O eu lírico utiliza uma metáfora para aconselhar os ouvintes da música ao dizer que viu “um leão beijar um veado”, esse verso pode ter dois significados: o primeiro é que de fato a vida pode ser bela a ponto de algo quase impossível como um leão beijar um veado acontecer. O segundo significado é que o eu lírico está aprendendo a ver a própria vida com outros olhos, pois ao invés de enxergar algo ruim e triste como a morte, ele viu afeto e a comemoração por um novo começo. 

    Mariana: A vida nos surpreende com momentos inimagináveis como ganhar um dos maiores prêmios da indústria musical, bem como ser expulso de sua escola. Esses momentos são sensacionais e sempre tornam-se memórias. A caminhada da vida nos proporciona momentos lindos e tristes que lhe confortam ou impulsionam  a seguir em frente e conquistar ainda mais vitórias. A vida se mostra um jogo que muitas vezes não é tão justo e compreensível e é algo que Holden nos lembra em sua caminhada: Jogo uma ova. Bom jogo esse. Se a gente está do lado dos bacanas, aí sim, é um jogo – concordo plenamente. Mas se a gente está do outro lado, onde não tem nenhum cobrão, então que jogo é esse? Qual jogo, qual nada.” (SALINGER, 1991, p.11)Assim como Holden, a caminhada que JK tem trilhado não foi e não é fácil, por vezes já foi julgado e desacreditado, mas com muita fé, trabalho duro e companhia de pessoas maravilhosas, ele tem seguido em frente e conquistado seus sonhos junto a seus irmãos. As lembranças nos recordam de onde estávamos, o que sentimos e as diferenças entre o passado e o presente.  As lágrimas e os risos que já foram dados se tornam memórias agridoces que nos lembram do que já foi saboreado e do que queremos saborear na próxima página de nossa jornada. 

ThyHeartfilia: Tudo depende de qual ponto estamos olhando. A perspectiva revela o que damos mais importância na hora de contemplar alguma coisa com respeito ou não. Em nossas vivências, funciona da mesma forma, nossas memórias fazem parte de nossos sonhos, porque quando sonhamos é uma mistura de criatividade, recordações do que vivemos e desejos internos que sentimos ou buscamos. Esses aspectos não podem nos fazer sofrer; ainda com as memórias negativas, podemos ter a oportunidade em transformá-las em bons aprendizados. Há sempre esperança se acreditamos nisso. Assim como pensamos, assim nós seremos. 

E o Grifo acrescentou: “Vamos, agora conte-nos algumas das suas aventuras.” “Eu poderia lhes contar minhas aventuras... começando por esta manhã”, disse Alice um pouco tímida; “mas não adianta voltar a ontem, porque eu era uma pessoa diferente.” Nesse exato momento Alice teve uma sensação curiosíssima, que a deixou muito intrigada até entender o que era: estava começando a crescer de novo. “Não posso evitar”, respondeu Alice muito docilmente. “Estou crescendo.” “Você não tem o direito de crescer aqui “, avisou o Caxinguelê. (CARROLL, 2013)

Alice tinha plena consciência que nunca mais seria a mesma após viver o País das Maravilhas em sonho. Isso não desqualifica quem ela foi, e nem a entristece por quem ela era antes, porque hoje é possível entender que somente há compreensão plena quando se vive a experiência. Ainda que outras pessoas digam ao contrário acerca do seu progresso, como foi um esquilo (Caxinguelê), no caso de Alice, continuar em frente aceitando suas estações e temporadas da vida é o melhor a se fazer. Perseverar nessa jornada é entender que há esperança; mesmo que a lógica do mundo seja uma, não quer dizer que conosco não possa ser outra.

6ª Estrofe

Figura 10: Love Yourself Tear – Version R – Jungkook 
Fonte: BTS (방탄소년단) Facebook 2018

“E eu pensei ter visto você lá fora chorando, ooh ooh
E eu pensei ter ouvido você chamar meu nome, yeah yeah
E eu pensei ter ouvido você lá fora chorando, oh
Exatamente igual, oh yeah, yeah yeah yeah yeah”
Figura 11:  A tristeza de Holden – Ilustrado por Kelly Wu 
Fonte:  “Catcher in the Rye” short film, 2020

Mariana:Golden boy”, JungKook é considerado perfeito e um modelo por conquistar suas vitórias, assim como ser bom em tudo, como muitos apontam.  Porém, a expectativa de perfeição que é colocado em alguém tão jovem se torna injusta quando, na realidade, ele é tão humano quanto nós, alguém que se doa e trabalho duro para conquistar seus sonhos e proporcionar felicidade às pessoas. Todavia, o que muitos só enxergam é a camada perfeita que projetam sobre ele, esquecendo-se dos bastidores. A diferença entre os holofotes e os bastidores é um abismo, mas muitos esquecem-se sobre cobrando a perfeição que é iluminada pelos holofotes. Assim, Holden nos lembra que podemos mostrar o quão perfeitos somos, mas ao tropeçarmos, os julgamentos nos afogam e o que todos lembram são os erros: 

As pessoas sempre estão pensando que alguma coisa é totalmente verdadeira. Eu nem ligo, mas tem horas que fico chateado quando alguém vem dizer para me comportar como um rapaz da minha idade. Outras vezes, me comporto como se fosse bem mais velho – no duro – mas aí ninguém repara. Ninguém nunca repara em coisa alguma. (SALINGER, 1991, p.12).

Tanto JK quanto Holden são jovens e passam pela jornada da juventude aprendendo e buscando quem eles são dentre lágrimas e risos. JungKook nos inspira a continuar em nossa jornada, apesar das dificuldades. Logo, ele é tão humano quanto nós e da mesma maneira que nos sentimos tristes, fracos e cansados, ele também pode sentir-se assim. De tal maneira, assim como nós podemos nos confortar e inspirar a prosseguir através dos seus feitos, JK pode agir da mesma forma, pois o ARMY é a sua loja mágica que conforta-o e energiza-o a prosseguir em sua jornada. 

ThyHeartfilia: Confortar e ser confortado faz parte do processo de amadurecimento. É essencial que nos portemos com transparência, mostrando que não somos perfeitos, pois as pessoas ao nosso redor vão naturalmente revelar suas fragilidades e construir confiança uns aos outros. Compartilhar e apoiar faz parte do caminho que trilhamos com as pessoas escolhidas. Após o fim do sonho de Alice, sua irmã mais velha é tocada pela narrativa criativa da jovem e é contemplada com a experiência de viver a realidade que pode ser um sonho.

“Acorde, Alice querida!” disse sua irmã. “Mas que sono comprido você dormiu!” “Ah, tive um sonho tão curioso!” disse Alice, e contou à irmã, tanto quanto podia se lembrar delas, todas aquelas estranhas aventuras que tivera e que você acabou de ler; quando terminou, a irmã a beijou e disse: “Sem dúvida foi um sonho curioso, minha querida; agora vá correndo tomar o seu chá, está ficando tarde.”  Alice então se levantou e saiu correndo, pensando, enquanto corria o mais rápido que podia, que sonho maravilhoso tinha sido aquele. Mas sua irmã continuou sentada quando ela partiu, a cabeça pousada na mão, contemplando o pôr do sol e pensando na pequena Alice e em todas aquelas suas aventuras maravilhosas, até que também ela começou de certo modo a sonhar, e este foi o seu sonho: Primeiro, sonhou com a própria Alice, e mais uma vez as mãozinhas dela lhe apertavam o joelho, e os olhos brilhantes e impacientes olhavam os seus... podia ouvir até as entonações da voz dela, e ver aquele seu jeitinho de jogar a cabeça para afastar o cabelo desgarrado que sempre lhe caía nos olhos...  (CARROLL, 2013)
Figura 12: Map of The Soul: 7 ON – Jungkook  Fonte:  BTS (방탄소년단) Facebook 2020

Nesta data mais que especial, agradecemos pela vida de Jungkook e como todo o seu ser, agir e compartilhar nos estruturou. Permitindo sermos influenciados a inspirar outros, estes outros a regar mais gente e, assim por diante, uma sociedade ser capaz de ter autonomia sobre a sua identidade. A arte é viver e está fora do controle de quem se permite expressar e ser expresso por ela. E ninguém melhor que um jovem como JK para manifestar uma juventude artística eterna. Com muito zelo, vemos como ele é capaz de perpetuar o valor e a qualidade dessa guirlanda cheia de sonhos, desejos, lembranças, criatividade e imaginação que o adorna nessa peregrinação chamada vida. Ainda que deixe de ser jovem, a sua essência sonhadora jamais morrerá e transpassará a muitos como um calor de sol. Quem se permitir, venha e compartilhe também, porque somos feitos de conexões.  

Figura 13: Colagem de Jungkook na audição para o SuperStarK & Jungkook no Commencement Speech | Dear Class of 2020  
Fontes: Mnet, 2017 & BANGTANTV, 2020

“Por fim, imaginou como seria essa mesma irmãzinha (Alice) quando, no futuro, fosse uma mulher adulta; e como conservaria, em seus anos maduros, o coração simples e amoroso de sua infância; e como iria reunir outras criancinhas à sua volta e tornar os olhos delas brilhantes e impacientes com muitas histórias estranhas, talvez até com o sonho do País das Maravilhas de tanto tempo atrás; e como iria sofrer com todas as mágoas simples dessas crianças, e encontrar prazer em todas as alegrias simples delas, lembrando sua própria vida de criança, e os dias felizes de verão.” (CARROLL, 2013)

REFERÊNCIAS

1 comentário em “Happy Jungkook Day!”

  1. Meu Deus obrigada pelo trabalho, eu estou totalmente apaixonada por essa leitura, eu realmente me emocionei lendo, eu tenho 17 anos e ainda estou na busca de quem eu sou e dos meus sonhos, eu me identifico muito com o Peter Pan kkk e nossa…. todas essas palavras me fizeram tão bem, obrigada a todos os envolvidos pelo trabalho 💜 vou guardar tudo isso para sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *