Golden Closet Film by Jungkook

Dicon Dispatch (2018)
Kimberly Mello
Revisado por: Brunna Martins

Visuais do BAA, estamos de volta! Desta vez, com o especial de aniversário do nosso Golden Maknae, Jeon Jungkook, um dos maiores representantes do nosso painel no BTS, devido suas produções de vídeo autorais! Pensando neste dia, desenvolvemos uma análise com base em outra forma de criação, diferente das que até então conversamos por aqui. Nossas últimas análises foram direcionadas para criações mais elaboradas e comerciais, porém, hoje iremos abordar produções caseiras, utilizando como objeto principal os cinematics da “produtora” Golden Closet Film!

Imagem 1 – Fundo preto com escrito: “Golden Closet Film Present G.C.F”

Para quem ainda não sabe, a Golden Closet Film é como Jungkook decidiu nomear sua produtora de vídeos, onde ele dirige, filma e edita dentro do canal BANGTANTV, no Youtube. São vídeos experimentais, registros e cinematics que mostram sobre suas experiências e aventuras durante viagens e trabalhos, nomeados como G.C.F. (abreviação do nome da produtora). Os próximos parágrafos irão analisar e explicar sobre recursos que foram utilizados no processo de edição dos cinematics das viagens para o Tóquio, Osaka, U.S.A., Saipan e Helsinki.

Mas antes que possamos falar sobre tais técnicas, é importante introduzirmos o que seria um Cinematics.

Apesar de não existir uma forma exata de se usar a palavra, a expressão ‘Cinematic Film Look’ ganhou destaque para representar esses tipos de produção: vídeos que utilizam de técnicas cinematográficas (como narrativa, movimento de câmera, enquadramentos, transições, entre outros) e tratamento das cores, para que tenha a aparência de um filme. São muito comuns em animações de videogame, mas também é utilizado em short films (filmes curtos) produzidos por filmmakers que abusam de técnicas de filmagem e edição para criar uma experiência audiovisual sensorial no espectador. 

Um dos exemplos mais conhecidos entre a comunidade Filmmaker foi ‘Watchtower of Turkey’ (2014) de Leonardo Dalessandri, um pequeno documentário sobre uma viagem de 20 dias do diretor na Turquia, passando por cerca de 6 cidades e vivenciando as experiências mais diversas, buscando compartilhar com as pessoas além de sua visão, a experiência sensorial de tudo que viveu através da combinação muito bem encaixada da música, efeitos sonoros, diversidade de imagens e transições em apenas 3 minutos e 32 segundos. 

“Esta é a Turquia vivida por mim, de norte a sul” - Leonardo Dalessandri

No decorrer dos anos, a expressão para vídeos sobre viagens foi ganhando desdobramentos nas redes de compartilhamento, como: ‘Cinematic Travel’, ‘Travel Film’, ‘Cinematic 4K’, entre outros, mas a evolução da tecnologia abriu espaço para que filmakers não dependam de  câmeras e coleções de lentes para produzir um filme de qualidade.  Com o uso de smartphones, tornou-se possível entregar resultados tão bons quanto em equipamentos de ponta. 

Isso possibilitou que qualquer pessoa que possuísse um smartphone com uma boa qualidade de câmera pudesse produzir seus próprios cinematics films, podendo ser encontrados através da junção do modelo do celular e da palavra ‘cinematic’ nas caixas de busca, como por exemplo: ‘Iphone 11 Pro Cinematic’, ‘Cinematic Zenphone 6’, ‘Cinematic Galaxy S10+’, entre outros. 

Conhecendo um pouco sobre cinematics, podemos começar a entender a história do Jungkook com os G.C.F.s produzidos e compartilhados com o ARMY ao longo de sua carreira. O Maknae de Ouro sempre apresentou uma relação muito forte com a fotografia e o audiovisual em seus vídeos, que unido a sua curiosidade de aprender, resultou no lançamento do primeiro G.C.F., publicado através do canal BANGTANTV, em novembro de 2017: ‘G.C.F in Tokyo (정국&지민)’.

Os ‘Jungkook’s G.C.F.’ também são vídeos que compartilham experiências através da visão do Jungkook, seja de suas viagens ou trabalhos com os integrantes do BTS. O sentimento que pode resultar dessas criações é de que estamos ao lado dos meninos, conhecendo lugares novos e nos divertindo com as interações entre os membros, além de poder ser também um exercício de experimentação, levando em consideração que Jungkook é o diretor, cinegrafista e editor, o responsável por todos os detalhes presentes nas produções finais. 

Nos próximos parágrafos iremos explicar algumas técnicas que Jungkook utilizou e talvez, inspirar vocês a colocarem a mão na massa e desenvolverem seus próprios Cinematics

Para iniciar a análise, iremos voltar no tempo, em 2017, nos primeiros segundos do ‘G.C.F in Tokyo (정국&지민)’: 

Vídeo G.C.F in Tokyo: 00:00 – 00:25

O vídeo se inicia apenas como um compilado de cenas no aeroporto, acompanhados do áudio original. Esse conjunto é um convite ao espectador através de uma experiência imersiva visual e sonora, como também apresenta o início de uma nova aventura pela simbolização figurativa do aeroporto e do avião como um lugar que nos possibilita conhecer horizontes distantes ou desconhecidos. Quando a música se inicia, já estamos envolvidos com o sentimento de pré-euforia de uma nova experiência. O mesmo recurso é utilizado 2 vezes no ‘G.C.F in Osaka’:

Video G.C.F in Osaka: 1:13-1:38 (Primeira vez)

Video G.C.F in Osaka: 1:51-2:11 (Segunda vez)

Apesar de também servir para imersão, desta vez, ele aparece no meio do vídeo, apresentando momentos divertidos através de pausas representadas pela transição de ruídos de TV, unindo momentos engraçados a momentos eufóricos, representados pela música juntamente as cenas, resultando em um misto de emoções interpretadas de espectador para espectador. 

Uma grande característica dos cinematics travels é o uso da montagem rítmica ou seja, onde os cortes, os movimentos de câmera, são encaixados conforme a música ou efeitos sonoros. O vídeo ‘A World of Dreams – México (Cinematic)’, de Tony Mcallister, é um grande exemplo do resultado de montagem rítmica: 

Esse tipo de montagem pode ser observado em praticamente todos os G.C.Fs, mas abaixo estão exemplos de dois deles:

G.C.F in USA 0:55 – 1:25

G.C.F in Saipan 1:01 – 1:21

Como pode ser observado nos exemplos, os cortes, as transições, os movimentos de câmera e os efeitos, tais como a câmera lenta, constroem cenas sincronizadas com os beats (batidas) musicais, o ritmo e as sensações transmitidas pela música. Essa composição também envolve o espectador, ativando sentidos e sentimentos. Quanto mais sincronizado, mais gera imersão. Quando ocorre a quebra desse ritmo, a imersão é rompida ou intensificada, dependendo da intenção do diretor, como pode ser percebido nos exemplos apresentados no parágrafo sobre o áudio original das cenas e do ‘G.C.F in Osaka’ e no ‘G.C.F in Helsinki’:

G.C.F in Helsinki 0:13 – 1:07

No vídeo 6, a montagem acontece seguindo o ritmo da música, até que um corte inesperado para uma tela preta, juntamente com um som seguido da palavra “죄송합니다” (“desculpe”, em coreano) na voz de Jungkook, interrompe a música, desnorteado o espectador e causando inúmeras reações que dependem da interpretação pessoal de cada um. Alguns podem dizer que ele estaria brincando com o fato de ter espirrado enquanto filmava, ou para acrescentar à narrativa o fato de estar muito frio, ou algo que se refira a cena anterior de Jin, Jimin e Hoseok interagindo. Porém, antes que o espectador possa fechar uma conclusão, a música retorna com imagens sincronizadas, seguindo como se nada tivesse acontecido. 

Uma das principais ferramentas utilizadas para a construção desse tipo de vídeo são os cortes e as transições, e iremos apresentar algumas das que foram usadas nos G.C.Fs, como também outras técnicas geralmente presentes em cinematics travels.  

A primeira que iremos explicar é a ‘Smooth Transition’, ou transição suave, que são transições que, quando utilizadas, dão a impressão de que a imagem do vídeo parece ser uma só, como um movimento de câmera, deixando-as quase imperceptíveis: 

Usa 1:36 – 1:51

Tokyo 0:48 – 0:52

Tokyo 0:55 – 1:08

Tokyo 1:13 – 1:16

Tokyo 2:05 – 2:08

Osaka 0:27 – 0:30

Normalmente, esses tipos de transições são usados a partir de presets (predefinições) que podem ser instalados no editor de vídeo Adobe Premiere, e alguns tutoriais do YouTube ensinam como reproduzi-las’ em outros editores, como o Sony Vegas. Elas permitem que as mudanças de cenas possam ‘dançar’ com a música, dando um toque mais suave, diferente dos Standart Cut, conhecido em português como Corte Seco, que são mudanças de cena sem nenhum acabamento ou transição: 

Saipan 0:12 – 0:45

Outro tipo de corte utilizado pelo Jungkook, foi o Jump Cut, que são cortes secos de um vídeo em um mesmo plano, mas avançando no tempo, sugerindo um ‘pulo’ na cronologia, auxiliando assim no ritmo e na dinâmica do vídeo, como pode ser observado abaixo:

Osaka 2:50 – 2:55

Tokyo 0:57 – 1:15

Saipan 1:06 – 1:12

Saipan 1:28 – 1:35

Helsinki 0:40 – 0:51

USA 2:31 – 2:39

O Match Cut, ou corte de comparação, é um corte seco que combina duas cenas completamente diferentes que possuam algo semelhante, sendo uma forma de mudar cenas com contextos distintos sem desorientar o espectador, como nos trechos a seguir: 

Osaka 0:24 – 0:28

Helsinki 2:02 – 2:10

O Zoom Cut é um tipo de corte onde, dentro de uma mesma cena, acontece um corte seco e o próximo frame (quadro de vídeo) está mais próximo que o anterior, dando ao espectador a impressão de que o vídeo está se aproximando ou se distanciando do objeto principal em saltos de tempo: 

Saipan 1:48 – 1:56

USA 1:14 – 1:25

No ‘G.C.F in Saipan’, um tipo de montagem foi utilizado e já comentamos sobre ela na análise do MV de Daechwita. A montagem paralela acontece quando duas sequências de cenas diferentes aparecem intercaladas entre si, com o intuito simbólico e figurativo de passar um sentimento, de recordar lembranças, construir ou intensificar significados:

Saipan 0:44 – 1:01

Mais uma técnica muito utilizada nos cinematics é o efeito de variação de fast e slow motion, que é quando o vídeo fica mais acelerado (fast motion) ou mais lento (slow motion). Você pode aprender a reproduzir esses efeitos em seu programa de edição de vídeos através de tutoriais na internet, como também em alguns aplicativos para celular, pois são muito simples de serem feitos. Ambos os efeitos causam reações diferentes no espectador como de euforia e rapidez ou de tristeza, felicidade, pausa no tempo, entre outros significados que isoladamente eles podem entregar. 

No ‘G.C.F in Osaka’, o efeito pode ter sido utilizado para dinamizar o vídeo, acompanhar o ritmo da música e intensificar o momento através do contraste entre a aceleração e a lentidão das cenas: 

Osaka 1:42 – 1:50

Agora, chegamos a um efeito que chega até a ser intrigante, utilizado no ‘G.C.F in Tokyo’ que é o Dolly Zoom ou Efeito Vertigo. Ele tem esse nome devido a técnica ter se eternizada através do filme Vertigo (título em português: Um corpo que Cai), do diretor Alfred Hitchcock. Trata-se de uma distorção que acontece quando um objeto de cena permanece do mesmo tamanho, enquanto o fundo se aproxima ou se afasta, causando desconforto, e até mesmo vertigem, uma sensação de tontura por uma falsa impressão de movimento, impactando visualmente e emocionalmente o espectador, como pode ser observado na cena do filme Tubarão (1975) e no ‘G.C.F in Tokyo’, onde Jimin está no centro, enquanto acontece uma distorção no fundo. A câmera se aproxima de Jimin e o fundo se afasta: 

Video: Efeito Vertigo

Filme: Tubarão (1975).

Tokyo 2:03 – 2:05

Esse efeito pode ser realizado através de 2 formas. Pela aproximação ou distanciamento da câmera, enquanto você aproxima o zoom do objeto que deseja que não tenha modificação: 

Gif 1 – Dolly Zoom: Mais do que um Truque Barato. Disponivel em: https://www.youtube.com/watch?v=u5JBlwlnJX0&t=79s

E pela aproximação ou distanciamento da câmera do objeto que não deseja modificar, e a edição em programas:

Gif 2 – Como fazer o FAMOSO EFEITO VERTIGO ou DOLLY ZOOM na CÂMERA e na EDIÇÃO! Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ynGnNReHPTk 

Para finalizar, como explicado no início do texto, o Cinematic Film Look é caracterizado por usar técnicas cinematográficas e ter a aparência de um filme. Um dos principais fatores para que isso aconteça é o processo de colorização, momento em que acontece a aplicação de filtros e correção de cores. 

Vídeo:

O ‘Color Reel – The House On Pine Street’ do canal do vimeo GradeKC apresenta a diferença entre uma vídeo bruto (original) e o resultado final de um filme após a colorização. Esse processo ocorre também nos cinematics para que o espectador tenha a impressão de que ele está assistindo um filme. Podemos observar esses efeitos sendo aplicados nos G.C.Fs, como podem observar a seguir: 

imagem 2 – Jimin de costas na praia
Imagem 3 – BTS sentados em um estúdio de rádio
Imagem 4 – Jimin e Taehyung em uma loja de roupas
imagem 5 – Taehyung na cidade olhando para a câmera. 

Um destaque especial para o ‘G.C.F in Helsinki’, pois é o vídeo  muito mais ousado no que diz respeito a colorização. É possível observar uma grande variação de cores entre os momentos do vídeo: 

imagem 6 – Jin, Namjoon e Taehyung olhando para o horizonte 
imagem 7 – BTS em uma floresta fazendo pose para fotos. 
imagem 8 – Jin olhando para trás de uma colina
imagem 9 – Hoseok de costas andando em direção a colina
imagem 10 – Jimin olhando para o céu em frente a uma casa 
imagem 11 – Taehyung olhando para o horizonte

O ‘G.C.F in Helsinki’ possui uma variação vasta de colorização, iniciando com filtros mais azulados e frios, passando para tons mais quentes e alaranjados e finalizando com cores mais vivas. É um vídeo onde Jungkook brinca com as cores como parte da construção do mesmo. Um destaque para a cena final que comprova que a variação de cores fazia parte da narrativa que ele queria apresentar em sua obra. 

Helsinki 2:31 – 3:12

Caso deseje conhecer um pouco mais sobre as cores no audiovisual, você pode ler nossa análise de Stay Gold e Fake Love. Lá você encontrará algumas explicações referentes às cores frias e quentes. 

Aos corajosos que chegaram até o final por se interessarem muito pela área audiovisual, incentivamos a, como o Jungkook, experimentar e praticar essas e outras técnicas que encontrarem. São exercícios que você pode praticar até mesmo com seu celular! Mas não se esqueçam de compartilhar conosco suas criações através do email baa.visual@gmail.com ou nos marcando em nossas redes sociais. Também estamos aceitando ideias sobre o que vocês gostariam de ver no Painel Visual

REFERÊNCIAS 

  • G.C.F in Tokyo (정국&지민). Direção: Jeon Jungkook. Golden Closet Film, 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XrTNLkqGrlc. Acesso em: 30 ago. 2020.
  • G.C.F in Osaka. Direção: Jeon Jungkook. Golden Closet Film, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=PMEkmiQP5bg. Acesso em: 30 ago. 2020.
  • G.C.F in USA. Direção: Jeon Jungkook. Fotografia de Jeon Jungkook. Golden Closet Film, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=9Lb6ta2bPu4. Acesso em: 30 ago. 2020.
  • G.C.F in Saipan. Direção: Jeon Jungkook. Fotografia de Jeon Jungkook. Golden Closet Film, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=M1F1RxkXrDE. Acesso em: 30 ago. 2020.
  • G.C.F in Helsinki. Direção: Jeon Jungkook. Fotografia de Jeon Jungkook. Golden Closet Film, 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=NgTwJQ2CUqI. Acesso em: 30 ago. 2020.
  • WATCHTOWER of Turkey. Direção: Leonardo Dalessandri. [S. l.: s. n.], 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=z7yqtW4Isec. Acesso em: 30 ago. 2020.
  • COLOR Reel – The House On Pine Street. Direção: Leonardo Dalessandri. Produção: Aaron and Austin Keeling. Fotografia de Juan Sebastian Baron. USA: GradeKC, 2015. Disponível em: https://vimeo.com/116019668. Acesso em: 30 ago. 2020.
  • SARTI, André. Conheça os tipos de cortes e melhore sua técnica de edição. [S. l.], 2016. Disponível em: https://andresarti.com.br/melhore-sua-tecnica-de-edicao/. Acesso em: 30 ago. 2020.
  • HOTMART (Brasil). Tipos de transições e cortes de vídeo que você deve usar em suas produções. [S. l.], 2020. Disponível em: https://blog.hotmart.com/pt-br/corte-de-video/. Acesso em: 30 ago. 2020.

1 comentário em “Golden Closet Film by Jungkook”

  1. Adorei o texto, Kimmy!!! Eu sempre tive curiosidade sobre a composição dos GCF e não sabia que era tão complexo assim, o Jungkook realmente é um prodígio do audiovisual e de todas as artes. As explicações ficaram bem fáceis de ser entendidas e os trechos de vídeo que você selecionou ajudou bastante. Quando eu estiver com um celular com uma camera melhor vou tentar meu próprio Cinematic também, achei muito interessante! Purple you 💜

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *