Epifania do Amor-Próprio: Um Despertar Para a Liberdade

Gardênia Pereira e Alicia Mesquita
Revisado por: Brunna Martins

No texto anterior, trouxemos reflexões sobre o novo álbum do BTS, BE, construindo um panorama geral das músicas, relacionando-as com conceitos psicológicos, bem como com algumas mensagens que o grupo nos transmitiu através das letras. Talvez uma das principais e mais importantes seja a resiliência neste período pandêmico em que vivemos hoje. 

Quando falamos sobre a Psicologia Analítica e como o ARMY começou a prestar atenção nesses conceitos, reiteramos que, desde o debut, o BTS canta sobre as problemáticas da juventude. Em 2017, uma nova vertente nos foi mostrada através da trilogia Love Yourself, quando o grupo ultrapassou essa linha, cantando sobre auto-descoberta e amor próprio.

Tendo em vista esse conceito, relacionamos as falas e músicas sobre amor-próprio e autodescoberta com o dia de hoje, que é muito especial para o ARMY. É o dia em que celebramos e comemoramos a vida e um novo ciclo para Kim Seokjin, o hyung mais amável e precioso. Mencionaremos sua trajetória até a descoberta e conhecimento de si mesmo, associando-a com alguns conceitos psicológicos, a fim de ressaltar que, assim como Jin, todos passamos por fases em nossa vida e a melhor maneira de lidar com elas é o autoconhecimento. 

A era Love Yourself vem como uma peça importante nesse quebra cabeça, que eles estão montando desde que estrearam: o crescimento, o enfrentamento de obstáculos e, o que acreditamos ser um ponto-chave, a aceitação.

A partir desse ponto e, juntamente com os álbuns da era Map of The Soul – ou até mesmo antes deles, as mensagens sobre amor-próprio têm atingido muito o ARMY, fazendo-os ressignificar muitos conceitos que até então eram enraizados em suas vidas. 

Especificamente neste texto, Seokjin servirá de exemplo e inspiração, pois é um dos artistas que traz vida e aplicabilidade ao conceito de amar a si.

Segundo a autora Brené Brown (2016), amar a si mesmo tem relação com viver plenamente, cultivando atitudes de coragem e compaixão para com seu valor e suas “imperfeições”. Jin coloca bastante essas atitudes em prática, como visto em seu discurso no Dear Class of 2020.

Eu me sentia inquieto vendo meus amigos tão adiante de mim (...). 
Eu logo percebi que o caminho deles não era o meu (...).
A partir disso, tornou-se um hábito meu ter um tempo extra para mim mesmo” 
- Kim Seokjin 

Antes do debut e também depois dele, provavelmente, Jin enfrentou comentários e opiniões negativas. Ele diz, nesse mesmo discurso citado acima, que era cuidadoso com o que dizia e fazia, o que indica que viver as incertezas e dificuldades do começo do Bangtan talvez tenha afetado sua autoimagem e seu autoconceito.

A primeira definição é o que pensamos sobre nosso corpo e nossa aparência física. A segunda, sobre autoconceito, envolve nossos pensamentos sobre nós mesmos e quem somos (RISO, 2012). É possível ver como suas experiências influenciaram a construção de sua autoestima e amor próprio desde Awake, em 2016.

“Eu só estou andando e andando na escuridão
Os momentos felizes perguntaram-me
Se eu estou realmente bem
Ah, não”
- Awake 

Nitidamente, esses desafios e experiências não têm impacto apenas sobre Jin, todos nós estamos sujeitos a desenvolvermos percepções e crenças pouco positivas acerca de nós mesmos. O mundo de hoje cria e nos coloca em várias situações de competitividade e comparações, em casa, na escola, no trabalho e até entre nossos amigos. 

Segundo a teoria Cognitivo-Comportamental, tudo isso contribui para formar uma visão negativa de si, com base em crenças de desvalor ou desamor. Isto é, a tendência de nos vermos inferiores e desmerecedores de amor (BECK, 2011). E essas crenças podem continuar sendo alimentadas por anos, dependendo dos caminhos que escolhemos. 

E, assim como em todos os caminhos, precisamos fazer escolhas. Essas, por sua vez, demandam decisões. Seguir como estamos ou traçar uma nova trajetória? 

Através dos seus solos, notamos que Seokjin caminhou até chegar em Epiphany, na qual ele nos mostra uma significativa mudança. O nome da música já nos diz muito:

Epifania: Revelação manifestada a partir de algo inesperado; percepção intuitiva: aquela ideia genial resultou de uma epifania.

E esse significado reflete o que essa música traz consigo. Quando temos uma epifania, um insight, ele simplesmente vem, não importa quantas vezes a gente tenha forçado antes. A revelação vem quando tem de vir, em uma percepção clara da realidade, de nós mesmos. Além de dizer muito também da trilogia Love Yourself, assim como o processo do amor-próprio: não adianta insistirmos em algo, ao querer forçar esse sentimento, pois são processos cujas etapas são necessárias e devem ser respeitadas. 

“Eu me adaptei completamente a você, eu queria viver por você
Mas por continuar fazendo isso, eu simplesmente
Não consigo mais aturar a tempestade dentro do meu coração” 
- Epiphany

Quantas vezes a gente se molda pela expectativa e cobrança do outro? Enxergamos essa parte como aquele conflito interno que todo mundo passa, e nesse caso, na cobrança que temos com nós mesmos em que precisamos sempre “superar” algo. Mas até que ponto essa autocobrança é saudável? Como diz o monge sul-coreano Haemin Sunim (2019), “Se você começar a acreditar no que os outros dizem sobre você, eles vão começar a controlá-lo. Nem tudo que surge na sua mente é verdade. Não deixe a opinião de outra pessoa governar sua vida.”

Então, a partir desse ponto, Seokjin teve o insight de que bastava se amar, sem limitação externa. Ficarmos livres de amarras, com certeza, já pode ser suficiente. 

“Eu finalmente percebi isso, então eu me amo
Apesar de não ser perfeito, sou tão belo
Eu sou quem eu deveria amar
Estou tremendo e com medo, mas continuo seguindo em frente
Estou conhecendo meu verdadeiro eu, escondido na tempestade
Por que eu quis esconder meu precioso eu desse jeito?
Do que eu tinha tanto medo? Por que escondi meu verdadeiro eu?” 
- Epiphany

Este é o aprendizado que tiramos dessa música, não precisamos ter medo de sermos nós mesmos, acreditarmos nos nossos princípios, nos caminhos que escolhemos, em nossa força interior. Obviamente, não são processos fáceis e muitas vezes não conseguimos chegar nesse ponto sozinhos, por isso um bom aliado em um processo de autoconhecimento é a psicoterapia. 

“Mas esse sou eu
Meus braços, minhas pernas, meu coração, minha alma
Eu quero amá-los nesse mundo
Esse meu eu brilhante, minha alma preciosa” 
- Epiphany

É possível notar, no trecho acima, em como não é apenas amor próprio, perpassando para um respeito-próprio. Esse processo implica respeitar quem ele foi, o corpo e a alma que se transformaram e fazem parte da sua história. 

Em uma entrevista recente à Weverse Magazine, Jin respondeu algumas perguntas que explicam e ilustram bem todo esse modo de viver que ele escolheu:

“Eu sou alguém que literalmente vive só no presente, então eu costumo esquecer o passado e não me estresso com o futuro. Eu sei que não vou esquecer momentos importantes ou momentos que passei com outras pessoas, mas eu esqueci todas as coisas ruins que aconteceram no passado e os momentos difíceis que eu tive, e estou realmente satisfeito com minha vida agora e feliz por estar trabalhando muito. Como alguém pode se sentir feliz de novo e de novo por algo que aconteceu no passado, não importa o quão  bom era? Você pode ficar mais feliz encontrando 10.000 won no chão agora do que encontrando 100 vezes no passado. Eu acho que estou vivendo verdadeiramente com meus sentimentos ao viver no agora ao invés de pensar no futuro ou no passado.” (Tradução @sensestae)

Nessa mesma entrevista, ele menciona que o ARMY é como “voltar para casa”, e por mais que ele sempre demonstre seu amor por nós, como em Moon, é sempre reconfortante saber que somos parte de uma equação de amor mútuo. Somos casa um do outro. 

“Eu nem tinha nome
Até que eu te conheci
Você me amou
E agora você é minha razão
Você é minha Terra
Eu sou só uma Lua para você” 
- Moon 
“Mesmo na noite escura e no dia claro
Você está ao meu lado
Mesmo quando eu estou triste
Você brilha em mim
Mais do que qualquer coisa, mais do que Obrigado
Eu estarei ao seu lado
Mais brilhante na noite escura
Me manterei ao seu lado” 
- Moon

Desse modo, quando reconhecemos nossos limites, cuidamos de nós mesmos e nos amamos, é possível “plantar a semente” que floresceu em nós nos outros também. É preciso compreender que nunca atingiremos totalmente os ideais de perfeição, mas é possível ser conforto para você mesmo e os outros, iluminando-se e aos que você ama como a lua na noite escura (SUNIM, 2019).

Portanto, aprendemos com Seokjin lições valiosas: amar a nós mesmos é respeitar nossa trajetória e nossas escolhas. Precisamos aceitar nossa complexidade, nossas vulnerabilidades e isso acontece somente em processo de autoconhecimento, superando traumas e obstáculos. Sabemos, que para nós, existem sete pessoas do outro lado do mundo que não nos deixam sozinhos neste caminho, que muitas vezes pode ter espinhos, mas com muitas rosas. 

Leitura Complementar:

Se você quer saber mais da era Love Yourself, tem um episódio no podcast 2Cool 4Academy, o podcast do BAA, que  foi em comemoração ao aniversário dessa trilogia que é impossível não amar! 

Referências 

  • 방탄소년단 (BTS). Awake. Produzida por: Slow Rabbit; arranjada por: Slow Rabbit; escrita por: JUNE, “hitman” Bang, RM, Pdogg, j-hope, Jin & Slow Rabbit; CD digital. Faixa 9. BigHit Entertainment, 2016. CD digital. Faixa 9.
  • 방탄소년단 (BTS). Epiphany. Produzida por: Slow Rabbit; escrita por: ADORA, “hitman” Bang & Slow Rabbit; CD digital. Faixa 13. BigHit Entertainment, 2018. CD digital. Faixa 13.
  • 방탄소년단 (BTS). Moon. Produzida por: Slow Rabbit; escrita por: Daniel Caesar, DJ Swivel, Candace Sosa, ADORA, Jin, Ludwig Lindell, Slow Rabbit & RM; CD digital. Faixa 16. BigHit Entertainment, 2020. CD digital. Faixa 16.
  • BECK, A. Depressão: Causas e Tratamentos. Artmed: Porto Alegre, 2011.
  • BROWN, B. A Coragem de Ser Imperfeito. Sextante: Rio de Janeiro, 2016.
  • RISO, W. Apaixone-se Por Si Mesmo. Planeta do Brasil, 2012.
  • SUNIM, H. Amor Pelas Coisas Imperfeitas. Sextante: Rio de Janeiro, 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *