E O TCC? O Primeiro Passo Da Pesquisa: Não Surtar!

MV Lights 
Gardênia Pereira
Revisado por: Brunna Martins e Julyanna Dias

Sabemos que abrir a porta do desconhecido muitas vezes nos tira da zona de conforto, aquele lugarzinho gostoso, no qual estamos acostumados. Pode nos dar a impressão de que tudo está sob controle, mas na zona de conforto é onde nada acontece. É preciso sair dela para produzir algo, se arriscar. 

Hoje, vamos deixar as teorias psicológicas um pouco de escanteio e falar mais sobre essa fase que todo estudante provavelmente vai passar: o Trabalho de Conclusão de Curso.  Esse é o primeiro post do projeto “E o TCC?” aqui dentro do painel Estações. Lá no Como Fazer, você encontrará dicas para que seu processo metodológico de pesquisa seja mais leve. 

Aqui, queremos trazer conteúdos que complementam sua jornada acadêmica, que te dêem conforto e sejam aquele abraço quentinho que todo estudante precisa nessa época!  

Por ser uma tarefa obrigatória, pelo menos na maioria das universidades, o início dessa última etapa é realmente desafiador, é de fato abrir a porta para um caminho incerto e cheio de inseguranças. Uma das coisas mais importantes nesse período, é fazer boas escolhas para tornar esse momento menos exaustivo possível.  

Falando em escolhas, uma das primeiras que devemos decidir é o tema.Quando se escolhe seu tema — e aqui precisamente falando, quando se decide pesquisar sobre o BTS —, inicialmente pode assustar, por inúmeros motivos: falta de conteúdo sobre a temática, o questionamento da relevância do assunto,  o que pesquisar e muitos outros. 

“Talvez o grande ‘monstro’ dos pesquisadores iniciantes seja a temida relevância que seu trabalho terá. Dizer a alguém que eu queria estudar o BTS, o ARMY e a Hallyu, no início, era tão difícil que eu chegava a engasgar. Então surge o questionamento: você não estava segura do excelente trabalho que os meninos sempre ofereceram e dos impressionantes recordes e paradigmas que eles vêm quebrando? E, não, definitivamente não era isso. O Bangtan e todos os seus feitos sempre foram motivos de muita admiração e orgulho para mim. No entanto, ser fã, no senso comum, é sempre ligado a um estereótipo de pré-adolescente do sexo feminino, que não está interessada em muitas coisas além de suas fantasias com seu ídolo. Ser fã de um grupo de K-pop, gênero que é insistentemente ridicularizado e marginalizado, pode ser duas vezes mais difícil. Querer trazer isso para a academia… é de, no mínimo, dar um frio na barriga”, diz Brunna Martins, estudante do sétimo período de Jornalismo.

Esse contexto, junto às inúmeras situações que podem ocorrer no processo, influenciam diretamente no desempenho da sua pesquisa. Estamos aqui para dizer: não se preocupe, é normal se sentir ansioso ou inseguro no início. 

Escolha do Tema

O primeiro degrau é a escolha da temática. É bom ser algo que goste, que se  identifique, tenha curiosidade e algo que deseja mostrar ao mundo que precisa ser pesquisado. Nossa dica é: faça brainstorming (chuva de ideias), converse com pessoas que já pesquisaram e/ou que estão pesquisando. Montar uma rede de apoio nesse momento pode ser um ótimo impulso para a sua jornada

“Lembre-se que sua pesquisa não é apenas o ato de colher conhecimento e absorvê-lo de forma passiva. Um artigo, o TCC e outros estudos conversam, dialogam com outros que já existem. Portanto, debater com pesquisadores, professores e, nesse caso em específico, com a comunidade ARMY, pode ser uma grande ajuda”, afirma Alicia Mesquita, que desenvolveu um artigo sobre Musicalidade e Jovens.

Ritmo

Em nossa jornada como pesquisadores, precisamos entender que compreender e aceitar nosso ritmo de produção, muitas vezes, é o ponto chave de toda a questão. Entender como nosso ritmo funciona evita o sofrimento por não cumprir metas, o que consequentemente nos poupa angústias sobre se sentir ou não produtivo. 

Outro ponto relevante é saber quando parar; saiba seus limites. Tire um tempo para você, estabeleça pausas durante seu processo. Sendo assim, tente perceber como funciona sua atenção, concentração e em que momentos seu corpo “pede” por descanso.

Para isso, vamos ao próximo passo: SE ORGANIZAR!

Organização 

Saber se organizar é um dos pontos que mais pode fazer a diferença no seu resultado. Para isso, identificar seus inimigos é uma ótima alternativa para que não caia em armadilhas que você mesmo criou.  

A dica é: faça listas, tabelas, use aplicativos ou cadernos para anotações. Encontre o que, para você, funcione da melhor maneira. Não se esqueça que para encontrarmos algo que seja de fato funcional em nossos processos, precisamos passar por tentativas e erros até a ferramenta ideal. 


Não basta ter a ferramenta certa, é preciso saber utilizá-la. Ter uma lista objetiva  com metas reais, é o que indicamos; te economiza frustração por ter idealizado demais e não cumprido os prazos. Além disso, é importante prezar qualidade e não quantidade.

Sabemos que nem só desses três passos iniciais o estudante vive, não é mesmo? Nossa vida depende de muitas variáveis: saúde física, nosso tempo dividido entre compromissos e o que colocamos como prioridades. 

Por isso, se algo no caminho não vai tão bem, peça ajuda, converse e compartilhe sua trajetória! Quando nos referimos à ajuda, queremos dizer de todos os tipos: um conselho de amigo, um amparo por colegas que passam pela mesma situação e não menos importante: a ajuda psicológica, com um profissional qualificado. Não esqueça da importância de uma rede de apoio, pois “trabalho em time, faz o sonho acontecer”.

“Nesse momento, encontrar pesquisadoras que já haviam se graduado tendo o Bangtan como seu objeto de pesquisa foi essencial para que eu nutrisse a coragem que precisava, além de me fazer sentir um imenso alívio, afinal, eu não estava sozinha”, acrescenta Brunna Martins, que encontrou, no BAA, outros pesquisadores que compartilhavam com ela o desejo de estudar e pesquisar sobre o BTS e todo contexto da Hallyu. 

É importante lembrar que esse texto e essas dicas não são, necessariamente, apenas para quem está ou produzirá o TCC, mas qualquer produção de pesquisa científica, isso inclui certamente artigos e teses. 

Lembre-se sempre de que tudo é hábito, é necessário se adaptar aos processos. 

O que mais você gostaria de ver nesse quadro sobre o TCC? Nos mande um e-mail no baa.estacoes@gmail.com, com o assunto “E o TCC?”. Estamos aqui por você!

“Se qualquer um de vocês se sente perdido, em face da dúvida ou da incerteza, ou da pressão de começar de novo, não se apresse. Respire fundo! Vá devagar, vá no seu próprio ritmo e de forma constante. Não se apresse. Você pode descobrir as coisas importantes que estava perdendo e elas chegarão até você.”
- Kim Seokjin

1 comentário em “E O TCC? O Primeiro Passo Da Pesquisa: Não Surtar!”

  1. Jéssica Totene Terron

    Meu deus! Estava tão preocupada com um trabalho que vou ter (praticamente uma simulação de TCC) e depois desse texto consegui respirar! Muito grata! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *