BTS no GRAMMY: Uma Cobertura sobre injustiças, frustrações e uma Performance impecável

Fonte: BigHit Entertainment / Foto divulgação E!News
Por Ana Luíza Barbosa 
Revisora: Rafaela Silva
Atenção: O artigo a seguir reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a posição do BAA.  

No último domingo, 14 de março, aconteceu a 63° Edição do GRAMMY, até então divulgada como a mais importante premiação da indústria musical. BTS, que já havia participado da premiação como apresentadores da categoria Melhor Álbum R&B em 2019. No ano seguinte, em 2020, BTS recebeu um convite para performar com o rapper  Lil Nas X a música  Old Town Road. Em 2021,   BTS entrou para a história da indústria do K-pop como o primeiro grupo sul-coreano a ser indicado e a performar nos palcos do GRAMMY. 

O anúncio dos indicados aconteceu em 24 de novembro de 2020 e os membros que se mantiveram acordados durante a madrugada da Coreia do Sul compartilharam sua surpresa e esperança em seu perfil no Twitter: 

O grupo que submeteu seu trabalho para as categorias: “Álbum do Ano”, “Melhor Álbum Pop Vocal”, com ‘Map of the soul:7’ e “Gravação do Ano”, “Música do ano”, “Melhor Performance Duo/Grupo Pop” e “Melhor Vídeo Musical” como a canção ‘Dynamite’, apenas conseguiu a indicação “Melhor Performance Duo/Grupo Pop”, e já os deixaram bastante agitados com a grande conquista de estar no GRAMMY como um nomeado. 

A falta de indicações para o ‘Map of the soul: 7’ por outro lado, deixou muitos fãs chateados. O álbum recentemente foi divulgado como o mais vendido de 2020 pela International Federation of The Phonographic Industry (IFPI, organização que representa a indústria da música gravada em todo o mundo). O relatório mostrou que o álbum ficou em primeiro lugar em vendas puras, sendo seguido também, pelo BE, lançamento mais recente do grupo. Além disso, ‘Map of the Soul:7’ (MOTS7), que conta com os sucessos “Black Swan”, “ON” “Boy With Luv” (canções que entraram para o Top10 dos gráficos da Billboard hot100), obtém uma alta classificação pelo Metacritic (site americano de crítica de álbuns, músicas, filmes, programas, livros, DVDs e videogames), com 12 reviews de críticos consolidados que contabilizam uma pontuação de 82 metascores, também agradando os usuários e ouvintes ao possuir uma pontuação de 9.4. 

Com relação a outros indicados para a categoria a qual o álbum estava concorrendo a indicação, não há um argumento que possa explicar o descarte de ‘MOTS7’, já que a avaliação estava similar ou abaixo. 

Fonte: Site Metacritic – acesso: 15/03/2021

A longa Premiere Ceremony do GRAMMY: 

Durante a semana o cronograma do GRAMMY foi anunciado, mostrando que a categoria em que BTS estava concorrendo seria na cerimônia não televisionada, divulgada através do canal no YouTube da Recording Academy/GRAMMYs a partir das 16h. Devido a grande quantidade de categorias e lista de indicados, a premiação foi dividida em duas partes, a Premiere e a cerimônia oficial televisionada pelo canal CBS (Estados Unidos e TNT no Brasil). Pouco antes do início, os membros já haviam compartilhado através do Weverse (plataforma de interações e compartilhamento oficial da BigHit) seu nervosismo. 

A abertura contou com a voz de diversos artistas nomeados da noite e uso de projeções, mesma tecnologia usada no MAMA e MMA 2020. A Premiere foi bem monótona, sendo agraciada uma ou duas vezes com a alegria de artistas latinos ao receberem o prêmio, quanto ao anúncio para cada ganhador, este foi rápido e não abria um bom espaço de tempo para que pudessem agradecer. O que prejudicou os vencedores, já que estavam através de videochamada, problemas com áudio e a qualidade do vídeo foi uma preocupação para quem esperava que o BTS recebesse o prêmio a qual concorria. 

Criada em 2012, a categoria Melhor Performance Duo/Grupo Pop já teve como ganhadores Amy Winehouse e Tony Bennett, Christina Aguilera e A Great Big World, Lady Gaga e Bradley Cooper, Twenty One Pilots e no ano de 2020, Lil Nas X, não sendo essa televisionada desde o ano passado. 

Às 18h, o ganhador da  Melhor Performance Duo/Grupo Pop foi anunciado, indicando “Rain on Me” de Lady Gaga e Ariana Grande como a vencedora, a transmissão que contava com cerca de 1.2 milhão de visualizações, caiu para 400 mil em minutos. Mais tarde, BTS compartilharia sua reação durante o anúncio do vencedor, e apesar de não levarem o prêmio para casa, demonstraram sorrisos e palavras de força. Veja o vídeo: 

A recente entrevista do grupo para o USA Today também mostrou que eles estavam bastante cientes de que a disputa estava acirrada e a resposta de RM foi bem sucinta:  “Há tantas bênçãos que poderíamos ter obtido nesses oito anos, mas acho que, em toda a nossa jornada, a melhor sorte que já tivemos é que nós temos vocês em todo o mundo”. E ainda completou demonstrando seu amor pelo ARMY: “Então, por favor, não se esqueça de que, ganhando ou não o Grammy, nós já conquistamos o que queríamos, nós temos você, e isso significa que temos tudo”.

Red Carpet, GRAMMYs e apresentação de Dynamite: 

O Red Carpet do GRAMMY para o ARMY foi marcado com duas fotos dentro da réplica do cenário do GRAMMY na Coreia do Sul, usando Louis Vuitton, eles ainda deram uma breve entrevista para o programa norte-americano “E!News”, onde também acompanharam a cerimônia. Com a ausência do BTS dentro do evento nos Estados Unidos, o grupo também não obteve um tempo de tela como os demais artistas que estiveram no local, sendo vistos apenas durante sua performance.

Apresentado pelo humorista Trevor Noah, o GRAMMY teve sua abertura com apresentações de Harry Styles (ex-membro da boyband One Direction e também um dos vencedores da noite) e Billie Eilish. 

Todas as performances receberam oportunidade de serem grandiosas, abusando de lindos cenários, roupas glamourosas, mashups (quando há uma mistura/junção de várias músicas) com seus maiores sucessos do último ano e um tempo aceitável para usar a criatividade. Aumentando a expectativa do que viria com a apresentação do BTS. 

Artistas pretos tiveram mais oportunidade para performance, foi um passo curto, já que poucos foram contemplados com prêmios e indicações, mostrando mais uma vez a falta de diversidade da premiação. 

Apesar da demora, vários anúncios como os próximos a performar e diversas categorias na frente. Entre as categorias mais importantes da noite e a divulgação do recorde quebrado pela diva pop Beyoncé ao se tornar a mulher mais premiada do GRAMMY, BTS se apresentou com Dynamite. Mesmo que a canção tenha uma grande lista de promoções e apresentações, o grupo sempre busca inovar e surpreender. Dessa vez, além de cenários que lembram pista de dança e festas de formatura, BTS realmente esteve nos céus ao performar no topo de um prédio em Seul (Coreia do Sul) com seus ternos coloridos e com corte retrô, como o próprio conceito pede. 

BTS mostrou que sim, é tudo ao vivo e que  sua potência vocal é estável independente da situação. Um Break (quebra da música para uma coreografia nova ou interpretação) mais complexo e mashups eram esperados pelo público, mas vale lembrar que Suga ainda está se recuperando da recente cirurgia no ombro. Porém nada pareceu ficar a desejar pelos internautas e fãs no Twitter, que após tantas frustrações e espera, receberam o que o grupo sempre entrega, uma performance impecável e cheia de paixão. 

Foto Divulgação / BigHit Entertainment

O GRAMMY precisa do BTS (Crítica da autora):

Segundo a Forbes, “O BTS continua quebrando recordes e o GRAMMY perdendo relevância, quem realmente precisa de quem?”, a prova disso foi a demora para sua apresentação, sendo uma das últimas anunciadas, aqueles ARMYs que ainda estavam ali esperavam ansiosamente apenas para ver o BTS performando ficavam cada vez mais cansados e irritados.

Após a Performance, o apresentador Trevor Noah ainda completou com a frase “Eles reproduziram o palco daqui, devia ter um prêmio só para isso”, que desagradou ao fandom ARMY, vendo a “piada” do humorista com certo tom de ironia e desrespeito com os artistas. Dar prêmios e indicações para artistas racializados é admitir que num meio de entretenimento, os Estados Unidos não é o ponto central da indústria, e que sim, existe grande potencial fora do eixo norte-americano e que pode abalar essa hierarquia difundida pelo “sonho americano”. 

Quais os critérios para ganhar um GRAMMY? Qual o critério para uma indicação? Essas são as mesmas perguntas que fãs e ouvintes do trabalho mais do que bem avaliado do The Weeknd fazem. Não há explicação coerente para a falta de indicações do The Weeknd e a única indicação e perda do BTS no GRAMMY. O impacto na indústria musical não explica isso, pois Dynamite se tornou memorável em 2020, a relevância quanto a números também não  é um critério, o impacto cultural, de longe, é visto através das atividades sócio-culturais  do grupo, muito menos a avaliação crítica pode ter sido o argumento para esse descaso. Então a explicação para esse evento está mais do que clara para fãs de K-pop, aqueles que acompanham a Hallyu e ao fandom ARMY. E ela não precisa ser nomeada para ser entendida. 

Alguns artigos publicados, como o da Dispatch no dia do GRAMMY chegaram ao conhecimento dos membros. Nele, a Dispatch cita que o BTS “falhou” ao não levar o prêmio para casa, porém esqueceram todo o contexto social em que eles estão inseridos. Ainda durante a live na plataforma Vlive (plataforma sul-coreana de lives), RM falou sobre: “Eu vi algumas manchetes dizendo que nossa vitória falhou, mas não é exatamente um fracasso.  Fomos indicados e nos apresentamos pela primeira vez.  A primeira vez como cantores coreanos.” 

Não, o BTS não falhou. A prova está nos seus constantes sucessos, os novos recordes, o aumento de público, o desejo de plataformas,  programas de entretenimento e premiações com a sua presença. A falha foi unicamente da premiação, que preferiu usá-los como um entretenimento e forma de segurar uma boa audiência, do que dar aquilo que realmente mereciam pelos seus quase 8 anos de estreia, o prêmio. 

Mesmo que tenham passado 11 horas acordados, BTS ainda fez uma live agradecendo o apoio, confortando os fãs e sorrindo. Jungkook ainda disse: “Obrigado por estarem conosco até agora. Quando eu olhei no site do GRAMMYs vi o gráfico do artista mais esperado, o nosso era tão alto, então eu pude saber o quanto de amor nosso ARMY têm nos dado. Em 2021 seremos artistas que retribuirão o amor que nosso ARMY nos deu. Vamos continuar a fazer memórias felizes. Amo vocês!” 

 Os olhos sonolentos e palavras de força foram o que mais se destacou na live, que teve cerca de 7.76 milhões de espectadores (apenas com o BTS), quase atingindo o mesmo número da premiação, com 7.88 milhões (gráfico dos Estados Unidos). Segundo a Variety, foi a pior audiência. 

Relembrando o começo desse tópico: então quem realmente precisa de quem? Sabemos que ganhar esse prêmio ainda é um sonho do BTS e que eles estão trabalhando para que esse sonho se realize. Artistas de todo o mundo se mostraram orgulhosos de todos os feitos do BTS, vale destacar artistas leste-asiáticos demonstraram apoio ao grupo. E apesar das frustrações de uma noite longa, não é o momento para desanimar, é o momento de estar mais ativo, a inquietude faz acontecer. Ela nos trouxe até aqui, ela trouxe o BTS até onde eles estão hoje. Ela fez o BTS conquistar o mundo.

Fonte: 

Tags:

1 comentário em “BTS no GRAMMY: Uma Cobertura sobre injustiças, frustrações e uma Performance impecável”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *