Explorando a arte em Blood, Sweat and Tears

Escrito por: Catharina Maciel
Revisado por: Brunna Martins e Julyanna Dias

Em 2016, mais especificamente no mês de outubro, o álbum Wings, juntamente com o music video da sua faixa-título, foi lançado. O álbum aborda temas como tentações e desafios no crescimento na juventude, e foi um período marcante na carreira do BTS e do fandom. O M/V é uma verdadeira obra de arte, repleto de diversas peças e obras, carregando muitos detalhes que são importantes para a compreensão da narrativa.

Para que essa produção tomasse vida, foram feitos inúmeros estudos e pesquisas, logo, com o texto de hoje, queremos mostrar como é importante buscar e estudar referências com frequência, para sempre adquirir mais repertório para desenvolver suas criações. Para isso, fizemos uma análise de algumas das obras que aparecem no M/V,  trazendo também um pouco mais da história e curiosidades sobre elas.


O music video de ‘Blood, Sweat and Tears’ entrega uma experiência íntegra sonora e visualmente, e é inspirado na obra de Hermann Hesse sobre desenvolvimento da maturidade, Demian (1919). Dentre outros períodos, há muitas referências do Renascentismo, explorando conceitos como destino, vida e morte e cair em desgraça/tentação”.


“Quanto mais difícil é resistir à tentação, mais você pensa sobre ela e vacila. Essa incerteza faz parte do processo de crescimento. ‘Blood Sweat & Tears’ é uma canção que mostra como alguém pensa, escolhe e cresce.”
— RM


Na cena inicial, os membros aparecem caminhando por um museu repleto de réplicas do Renascimento. Dentre várias obras, aparecem algumas como: A queda dos Anjos Rebeldes (1562) e A paisagem da queda de Ícaro (1565) de Pieter Bruegel; Perseu e a cabeça da Medusa (1545-1554) de Benvenuto Cellini; O lamento de Ícaro (1898) de Hebert James Draper e A Pietá (1499) de Michelangelo. E são sobre elas que iremos falar hoje.

Fonte: BigHit Entertainment. – BTS (방탄소년단) ‘피 땀 눈물 (Blood Sweat & Tears)’ Official MV


A pesquisa de referências na elaboração e transmissão de um conceito é extremamente importante. Podemos ver, que o período escolhido para o M/V não foi por acaso, uma vez que o Renascentismo é conhecido pela dualidade e conflitos, o bem e o mal, a busca pelo equilíbrio e refletindo até mesmo em discussões sobre a composição artística. A palavra “renascença” quer dizer nascer de novo ou ressurgir, e é justamente essa ideia de renascimento que marca o período que teve o  intuito de reviver a arte clássica, resgatar seus valores, hábitos, cultura e arte da mitologia greco-romana, além do cristianismo. Para contribuir ainda mais acerca da arte neste M/V, entrevistamos a artista Nathalia Mutz, bacharel em Artes Plásticas.

“O período não trouxe, exatamente, algo novo em si, na sua substância, mas trouxe questionamentos novos aos artistas (…), o período Clássico trouxe estudos e ferramentas. O Renascimento fez com que os artistas da época se encontrem com todos esses elementos deixados por seus mestres do passado, dominando com maestria, finalmente, e usando esses elementos para se expressar”, diz a artista.

O movimento tem alguns períodos marcantes: a Alta Renascença é a época mais conhecida, e um dos períodos mais importantes foi o Cinquecento e o Maneirismo (século XVI), época da decadência da Renascença. Este último, muitas vezes, não é conhecido como um movimento, mas para a arte, é muito característico por ser uma negação ao clássico e ao belo, uma transição para o Barroco. 


“A canção transmite uma determinação de usar nossas asas para ir longe, mesmo se encontrarmos tentações na vida”

— Suga


Também é possível perceber a conexão dos sentimentos e questões abordados na música com o Renascentismo, observando que a escolha das obras (que iremos tratar aqui) não foi ao acaso, pois estão ligadas a pecados e tentações: “A Queda dos Anjos Rebeldes de Bruegel e a história de Ícaro estão ligadas ao orgulho; Perseu com Medusa, mostra a sua ganância e ambição; Cristo no colo de Maria, que morreu pelo pecado dos humanos em uma entrega”, diz Nathalia.

Reforçamos também a escolha precisa do período Renascentista, pois é uma época em que a simetria e a busca por equilíbrio estão muito presentes. Tais características estão relacionadas, pois “muitas vezes são a forma como o K-Pop se expressa, (…) elementos simétricos são responsáveis por trazer prazer a mente humana, por isso que, até hoje, é difícil para a humanidade se desprender”, como conta a entrevistada.

A primeira obra que iremos trazer é A queda dos Anjos Rebeldes (Pieter Bruegel, 1562), que aparece em uma das cenas iniciais do M/V, quando Jin está observando-a.

Fonte: BigHit Entertainment. – BTS (방탄소년단) ‘피 땀 눈물 (Blood Sweat & Tears)’ Official MV

Segue-se uma narrativa de anjos e demônios; a maior parte do vídeo retrata os membros em ambientes e trajes decadentes, enquanto tentam não se render ao pecado e a tentação; elementos mais escuros e complexos fazem referência a vida e a morte. Por volta dessa época, Idade Média, era usual pensamentos em que o mundo era dividido em preto e branco, bem e mal, sombra e luz; representações de lutas internas. Podemos ver isso na obra até no uso das cores e composição, dividida entre os anjos bons e ruins.

Por mais que uma das interpretações seja a luta entre os anjos, para nossa entrevistada também pode ser como a expulsão dos anjos rebeldes do céu pelos anjos bons, em que o contexto gira em torno de orgulho, quando Lúcifer passa a não pertencer mais aos céus, e os demais anjos o seguem na queda.

A queda dos anjos rebeldes (Pieter Bruegel, 1562)


Além do uso de cores para transmitir a mensagem, a composição da obra faz diferença também. A artista Nathalia explica que uma forma de compreender, interpretar a peça e ver como os conceitos são empregados em tal, é traçando uma linha imaginária na horizontal, onde na parte de cima a luz predomina e contém uma semi-esfera que representa a porta do céu por onde os anjos bons estão expulsando os anjos maus; depois, na parte inferior, existe o emprego de cores escuras, onde predominam as criaturas representadas como os anjos caídos, e por fim, no centro, com uma armadura dourada, o líder dos anjos, São Miguel Arcanjo, pisa nos corrompidos orgulhosos.


Já a outra pintura de Bruegel, A paisagem da queda de Ícaro (1565), aparece em um momento em que V pula de uma sacada, sofrendo uma queda. Uma curiosidade sobre essa obra é que a original foi encomendada e a que se tem acesso é, na verdade, uma réplica de outro artista. “Isso foi descoberto graças a algumas linhas de referência encontradas na peça e a tinta usada – a óleo – ser um tanto rara nas obras de Bruegel”, diz Nathalia.

Fonte: BigHit Entertainment. – BTS (방탄소년단) ‘피 땀 눈물 (Blood Sweat & Tears)’ Official MV

A obra não é a única do M/V que fala sobre mitologia grega, e mais especificamente sobre Ícaro, portanto é importante conhecer um pouco mais do mito para compreender como essa referência se relaciona com a música, uma vez que o personagem sucumbe à tentação, como pela embriaguez ou pelo sucesso, acreditando que poderia voar até onde os deuses viviam, mesmo com seu pai o alertando.

A paisagem da queda de Ícaro (Pieter Bruegel,1565)

Ícaro e seu pai Dédalo construíram o labirinto do Minotauro, porém depois da morte deste por Teseu, os dois ficam presos no labirinto. Para poder escapar, asas artificiais de cera foram construídas para Ícaro, e seu pai o alertou dizendo para que ele não voasse perto do sol, pois poderiam derreter ou muito próximo ao mar, pois poderiam pesar. Ícaro é jovem e corajoso, porém sucumbe a soberba não escutando seu pai e é exatamente isso que podemos ver na obra. Porém o pintor Bruegel, filho do Renascimento Flamengo, retrata a obra em outro ponto de vista.

Uma das características do pintor é ter as paisagens como foco, o que também é representado nesta pintura, uma vez que Ícaro está bem abaixo, no canto inferior. Podemos ver um pastor olhando para o céu, assim como um barco e um pescador, onde todos se mostram indiferentes; o resto da paisagem e personagens são os principais. Com a composição bem distribuída, a pintura retrata o sofrimento entre o sonho (Ícaro) e a realidade (o pastor e demais personagens). Segundo a nossa entrevistada, possivelmente isso faz referência às raízes de Bruegel (maneirismo flamengo), como diz em um provérbio flamengo: “e o agricultor continuou a lavrar”.

“A pintura representa em si a indiferença do ser humano com o sofrimento alheio.”
— Nathalia Mutz


Também é possível relacionar o mito com a mensagem nesta obra e a música, com o final do M/V, em que após Jin beijar a estátua de concreto branco com as asas pretas, V aparece com suas asas arrancadas. Em um ponto de vista, pode-se considerar como a aceitação da imperfeição e que um anjo pode perder suas asas.

Fonte: BigHit Entertainment. – BTS (방탄소년단) ‘피 땀 눈물 (Blood Sweat & Tears)’ Official MV

Outra obra que perpassa pelo mito de Ícaro e aparece em diversos momentos é O lamento por Ícaro (Herbert James Draper,1898). No início do vídeo, ela aparece atrás do sofá, na sala onde os membros estão sentados.



Fonte: BigHit Entertainment. – BTS (방탄소년단) ‘피 땀 눈물 (Blood Sweat & Tears)’ Official MV



A obra do pintor clássico inglês mostra a queda de Ícaro como foco, aqui representado com com as suas asas, rodeado por ninfas que lastimam a sua morte. Uma das características da época é que os artistas transformavam cenas tristes e melancólicas em figuras românticas e puras. “O pintor escolheu deixar Ícaro com asas para passar uma sensação de graça, equilíbrio e beleza, já que o mesmo traz as referências clássicas para suas obras”, diz Nathalia.

O lamento por Ícaro (Herbert James Draper,1898)


Um dos detalhes que podemos perceber que tornam a cena mais romântica e “aconchegante” é o uso das cores, a maior parte em tons quentes, assim como claras na parte superior e escuras na inferior. Nossa entrevistada ainda ressalta particularidades, como a luz do sol que toca as pernas dele, indicando o passar do tempo, e a pele bronzeada, mostrando o quão perto do sol ele chegou.

Você sabia?

Passando por uma curiosidade, você imagina como as tintas eram feitas naquele tempo? Hoje, podemos comprá-las prontas em tubos ou recipientes, mas na época não era assim, os artistas precisavam preparar seus próprios pigmentos, principalmente extraídos de plantas e minerais. O processo por diferentes cores também podia ser perigoso, pois muitas eram feitas com cobre ou outros elementos tóxicos e causavam muitos problemas de saúde. Nathalia comenta que Bruegel utilizava têmpera, que na época era uma forma rápida e barata de fazer tintas, incorporando algum aglutinante, como ovos e água.

Agora, chegamos as duas esculturas, dentre várias, que escolhemos abordar. Perseu e a cabeça de Medusa (Bevenuto Cellini, 1545-1554) aparece atrás de Jin no saguão do museu e A Pietá (Michelangelo, 1498-1499) aparece atrás de J-Hope antes dele segurar o arco e flecha.  As duas obras foram feitas em períodos diferentes, porém mesmo A Pietá sendo mais detalhada, demorou menos tempo para ser desenvolvida, pois Michelangelo teve auxílio de outro artistas.

Fonte: BigHit Entertainment. – BTS (방탄소년단) ‘피 땀 눈물 (Blood Sweat & Tears)’ Official MV
Fonte: BigHit Entertainment. – BTS (방탄소년단) ‘피 땀 눈물 (Blood Sweat & Tears)’ Official MV

A obra de Cellini (do Maneirismo), Perseu e a cabeça da Medusa, é mais uma da mitologia grega que aparece no M/V. Ela representa a morte de Medusa por Perseu, filho de Zeus, essa que tinha o poder de petrificar qualquer um que olhasse em seus olhos. 

Segundo Nathalia, a escolha do material para a escultura, o bronze, além de influenciar diretamente na quantidade de tempo para ser feita (por conta da técnica necessária para trabalhar), tem relação direta com o mito pois de acordo com a mitologia, Medusa torna pessoas em pedra, e Perseu, que a degola, foi feito de bronze e não de mármore, ou qualquer outra pedra que normalmente era utilizada na época.

Perseu e a cabeça da Medusa (1545-1554, Benvenuto Cellini)

Já a estátua que aparece atrás de J-Hope, na verdade, é uma versão moderna de A Pietá. A obra original de Michelangelo representa Jesus após sua crucificação, deitado no colo de sua mãe Maria. A escultura, símbolo religioso e que se encontra no Vaticano, foi esculpida em mármore. Uma das curiosidades que nossa entrevistada conta é de que, para trabalhar a pedra, existem diversas etapas que devem ser cumpridas minuciosamente, pois o mármore é  feito de componentes  terrosos e petrificados que, se no momento de esculpir, as ferramentas forem mal utilizadas, toda a peça pode ser comprometida. 

A Pietá (1499, Michelangelo)

Assim como os movimentos de câmera e ângulos na filmagem de um M/V fazem diferença na hora de transmitir um conceito e mensagem, os artistas da época também utilizavam das proporções para criar alguns efeitos. Para dar foco na expressão de luto da Virgem Maria,  Michelangelo fez Jesus em uma proporção um pouco menor que sua mãe. “Muitas esculturas da época tem a proporção alterada, pois leva em consideração o ponto de vista do espectador”, diz Nathalia.  

Com tudo isso, vocês conseguem perceber como a escolha das cores, formas, composições e contextos influenciam diretamente nas nossas criações? E como foi rico e importante todas as pesquisas, escolhas e processos no desenvolvimento do M/V de ‘Blood, Sweat and Tears’ para a transmissão da mensagem da música?

Assim como cada artista tem suas preferências entre variados estilos, para cada um, o music video de ‘Blood, Sweat and Tears’ impacta de uma forma diferente. A sensação transmitida para a artista Nathalia foi a seguinte: 

“A simetria das cenas e a composição de cores que ornam com batidas, instrumentos e sensações da música. Nos estudos, passamos a analisar bem o uso das cores para transmitir sensações ao espectador, assim como o M/V faz (…) então como artista, senti uma grande alegria ao saber que, os rapazes que comecei a acompanhar, também se envolvem com algo que eu amo, que é arte”.
— Nathalia Mutz


E vocês, como receberam essa obra de arte? Quais sentimentos e sensações o M/V  causou? Quais detalhes vocês percebem que os fazem sentir isso? Gostaríamos muito de conhecer as suas respostas e criações, assim como esperamos que vocês tenham gostado do nosso texto e se inspirem com ele a pesquisar mais constantemente.


REFERÊNCIAS

  • Argan, Giulio Carlo. The Renaissance City; G. Braziller – New York, 1969
  • Gombrich, E. H. (Ernst Hans). A história da arte / E. H. Gombrich; tradução Álvaro Cabral. – [Reimpr.]. – Rio de Janeiro: LTC, 2015
  • https://www.billboard.com/articles/news/7534402/bts-blood-sweat-tears-single-listen
  • https://www.soompi.com/article/905157wpp/bts-talks-meaning-wings-goals-album
  • BTS (방탄소년단) ‘피 땀 눈물 (Blood Sweat & Tears)’ Official MV – disponível em https://www.youtube.com/watch?v=hmE9f-TEutc&ab_channel=BigHitLabels

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *